11 2155-9358
11 2155-9358
Institucional Blog Pesquisas CEP FJLES Cursos
Data inicial
Estágio Hospitais Boletins Releases Parcerias
Data Final
Busca rápida
Busca avançada
Institucional Voluntariado Parcerias Releases Boletins
Data inicial
Núcleos Cursos Estágios Hospitais Blog
Data final
Busca rápida
Busca avançada
A polêmica coleira para criança

Me lembro da minha primeira viagem para a Disney e do horror causado em mim, ainda uma criança, pelas tais coleirinhas que os pais prendiam nos filhos e saiam conhecendo os parques temáticos. Pelo menos 20 anos se passaram e me vejo acompanhando toda a polêmicas das coleirinhas, hoje chamadas de “mochilinhas”. Elas ficam presas nas costas das crianças, podem ser de bichinhos e delas saem o elástico que os pais seguram.

Sempre quis, sonhei e me imaginei com uma família grande, vários filhos, escadinha mesmo, circulando mundo afora. Os muitos filhos em escadinha eu já tenho, mas circular por aí, não é fácil, não. Eles não saem mais em carrinhos de bebês, vão andando sozinhos de mãozinhas dadas. Mas, eu não tenho 3 mãos, infelizmente. Nem que eu tivesse, resolveria, afinal como faz para pegar a carteira dentro da bolsa e pagar o sorvete? E depois como abre os picolés de cada um deles? E se alguém sai correndo para ver alguma coisa muito interessante? (Criança é um serzinho curioso que só vendo…). E se alguém se perde numa multidão de aeroporto?

A mochilinha me parece uma solução possível. Eu preciso sempre da companhia de alguém se quiser ir tomar sorvete na padaria da esquina com os meus 3 filhos. Ás vezes, eu posso não ter a companhia. Ás vezes, eu posso não querer a companhia de ninguém, só deles 3. Mochilinha neles??? Ou ficamos em casa morrendo de vontade de tomar sorvete?

Os pontos negativos levantados por alguns psicólogos não me convencem de que a mochilinha é um mal negócio. Também sou psicóloga e não acho que é esse acessório que vai causar males à criança por distanciá-la dos pais ou por não ensiná-la limites entre o que é certo e errado. Tudo isso se ensina em muitas outras situações cotidianas, contato com os filhos é dia-a-dia  e o que tem uma base sólida e bem estruturada na questão da educação não será “destruído” com o uso da tal mochilinha.

Ou você acha que deixar um bebê numa cadeirinha vibratória enquanto você lê os seus emails, por exemplo, é muito diferente? E carregar o filho num canguru nas costas para ter as mãos livres pode? Eu não tenho as mochilinhas, mas quando encontrar, compro logo três, feliz da vida e saio sozinha por aí desfilando com os meus filhos.

Postagens Relacionadas

Raciocinando

Está aberta a temporada de amigos em casa. Delícia. Adoro. […]

Não sei…

Vocês lembram do último texto? No qual eu “sofri, chorei tanto […]

Os apelidos dos gêmeos idênticos

A Manu adora ouvir histórias de quando as pessoas eram […]