11 2155-9358
Logo Pensi
Institucional Blog Pesquisas CEP FJLES Cursos
Data inicial
Estágio Hospitais Boletins Releases Parcerias
Ícone Data Final
Busca rápida
Busca avançada
Institucional Voluntariado Parcerias Releases Boletins
Data inicial
Núcleos Cursos Estágios Hospitais Blog
Ícone Data final
Busca rápida
Busca avançada
Male hands in handcuffs

A discussão da diminuição da maioridade penal é muito grande no Brasil. Este artigo mostra o aspecto da saúde no longo prazo de crianças que ficam em regime prisional nos EUA – isso mesmo, nos EUA eles prendem crianças em locais específicos.

Os Estados Unidos, com 1,3 milhão de crianças e adolescentes detidos a cada ano, encarceram uma proporção muito maior de jovens do que qualquer outro país desenvolvido. Dois novos estudos divulgados na revista Pediatrics de fevereiro de 2017 sugerem consequências de saúde de longo alcance para os indivíduos e a sociedade.

Para o estudo “National Longitudinal Study of Adolescent” os pesquisadores consideraram saúde de base e fatores sociodemográficos. Os participantes que foram encarcerados por menos de um mês eram mais propensos a experimentar sintomas de depressão como adultos, e os encarcerados por 1 a 12 meses tiveram pior saúde geral do adulto.

Os efeitos mais dramáticos foram observados entre os participantes detidos há mais de um ano, cujas probabilidades de terem sintomas depressivos eram mais de quatro vezes maiores e as probabilidades de terem pensamentos suicidas eram duas vezes mais elevadas. Além disso, suas probabilidades de limitações físicas ou mentais que interferiam no dia a dia, eram três vezes maiores do que os participantes que não haviam sido encarcerados.

Um segundo estudo, intitulado “Disparidades nos Comportamentos de Risco de HIV / Aids após a Detenção de Jovens: Um Estudo Longitudinal de 14 Anos”, analisou 15 fatores de risco diferentes ligados aos comportamentos de HIV / AIDS e encontrou chances significativamente maiores entre 1.829 adultos que foram detidos quando jovens em Chicago nos 14 anos anteriores, em comparação com a população em geral.

Um comentário solicitado sobre os estudos “Mudando as Trajetórias de Risco e os Resultados de Saúde para Adolescentes Vulneráveis: Recuperando o Futuro”, apela a uma reforma do sistema de justiça juvenil em todo o sistema para impulsionar alternativas ao encarceramento de jovens e integrar serviços de redução de riscos à saúde.

Acredito que estes estudos devam entrar também na discussão da diminuição da maioridade penal e pensar que tipo de sistema prisional  colocaremos estes jovens, já que os que vemos na televisão são um verdadeiro inferno na Terra e sem nenhuma condição de recuperação de uma pessoa.

 

Autor: Dr. José Luiz Setúbal

Fonte: Pediatrics February 2017, VOLUME 139 / ISSUE 2

How Does Incarcerating Young People Affect Their Adult Health Outcomes?

Elizabeth S. Barnert, Rebecca Dudovitz, Bergen B. Nelson, Tumaini R. Coker, Christopher Biely, Ning Li, Paul J. Chung

 

As informações contidas neste site não devem ser usadas como um substituto para o cuidado médico e orientação de seu pediatra. Pode haver variações no tratamento que o pediatra pode recomendar com base em fatos e circunstâncias individuais

Dr. José Luiz Setúbal
Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Postagens Relacionadas