PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
A amamentação e as preocupações maternas
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
A amamentação e as preocupações maternas

A amamentação e as preocupações maternas

11/11/2013
  2604   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Nos últimos anos, amamentar se tornou um ponto central no meio das preocupações das mães. Será que vou conseguir? Será que é difícil? Será que dói? Será que meu leite é forte o suficiente? Essas são as perguntas que mais ouço no consultório. A resposta para todas elas depende da mãe querer realmente fazer isso e não por pressão social. Argumentos de que é melhor para o bebê ou é mais fácil e menos trabalhoso raramente motivam quem não quer amamentar. Seja qual for o motivo, é uma opção da mãe e eu respeito, procurando melhores alternativas para quem não quer ou não pode fazer isso.

Num interessante artigo sobre este assunto, publicado na Pediatrics online, pontuou-se essa questão entre mães americanas. Os impactos da amamentação materna acontecem devido ao tempo em que elas fazem isso. Os interesses e as preocupações podem determinar a duração da amamentação.

Os autores conduziram 2.713 entrevistas com mães de primeira viagem e constataram que as preocupações delas sobre a amamentação nos primeiros 14 dias pós-parto estão ligadas, significativamente, à duração dela. As entrevistas foram conduzidas durante a gravidez, nas primeiras 24 horas e outras vezes em 3, 7, 14, 30 dias após o nascimento do bebê.

Os interesses na amamentação em qualquer um dos dias das entrevistas foram associados significativamente com o risco aumentado da parada da amamentação e o início do uso de fórmula. A maior preocupação estava na dificuldade com que a criança se alimenta no peito (52%), seguido pela dor ao amamentar (44%) e a quantidade do leite (40%).

Os autores concluem que os esforços futuros para aumentar a duração da amamentação devem focalizar em fatores protetores (tais como a confiança em uma amamentação bem-sucedida e em sustentação adequada) e em interesses que sejam resolvidos o mais cedo possível.

Como se vê, as dúvidas não são diferentes, mas, conforme o pediatra orienta a mãe com os impactos da amamentação na vida da criança, mais sucesso ele terá, desde que a mãe assim queira, volto a insistir.

Fonte: Breastfeeding Concerns at 3 and 7 Days Postpartum and Feeding Status at 2 Months | Pediatrics

Atualizado em 21 de maio de 2024

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

(CRM-SP 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, com especialização na Universidade de São Paulo (USP) e pós-graduação em Gestão na Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás, David e Benjamim.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade

    Cadastre-se na nossa newsletter

    Cadastre-se abaixo para receber nossas comunicações. Você pode se descadastrar a qualquer momento.

    Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade de Instituto PENSI.