PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
A dor e o estresse na emergência pediátrica
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
A dor e o estresse na emergência pediátrica

A dor e o estresse na emergência pediátrica

29/11/2012
  684   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Profissionais da área de saúde precisam saber como controlar o incômodo infantil no hospital

Uma preocupação que o Hospital Infantil Sabará tem nestes 50 anos de atividade é relativo ao objetivo de diminuir o estresse das crianças e familiares que nos procuram para atendê-los.

Para isso, contamos com um espaço físico adequado para o atendimento de crianças e adolescentes, com um pessoal treinado e capacitado para lidar com esta faixa etária e com equipamentos adaptados e apropriados para o auxílio pediátrico. Além disso, somos um hospital voltado exclusivamente para atendimento infanto-juvenil.

No relatório feito pela Academia Americana de Pediatria, publicado no seu congresso em New Orleans, realizado em outubro, onde estivemos presentes, fala-se sobre o alívio da dor e da ansiedade em pacientes pediátricos em emergência médica, que nos deu novos parâmetros para serem aplicados em nosso hospital.

O controle da dor e do estresse nas crianças é um componente vital para o atendimento médico de emergência. Contudo, existem inúmeras barreiras para o controle da dor nos pequenos em um ambiente emergencial, incluindo dificuldade em avaliar o que os pacientes jovens sentem, a falta de familiaridade com novos produtos e técnicas, o medo dos efeitos adversos da medicação e limitações de pessoal e de tempo. Muitos médicos começaram a aplicar novas abordagens para reduzir a dor infantil no cenário de emergência.

O relatório clínico inclui dicas de educação pessoal e protocolos para garantir conforto infantil, melhorar os processos da equipe e da satisfação da família. Ele descreve como a dor das crianças pode ser avaliada com precisão por meio de instrumentos apropriados à idade, que conta para a vasta gama de estágios de desenvolvimento delas.

O documento também recomenda que os médicos comecem a enfrentar a dor e a ansiedade assim que a criança entrar na emergência médica e que este cuidado deve continuar até a alta do paciente. Médicos e prestadores de saúde da emergência devem estar cientes de todos os analgésicos disponíveis e até as opções de sedação, incluindo o uso de ansiolíticos.

O controle da dor e do estresse nas crianças é um componente vital de cuidados médicos de emergência. Administração oportuna de analgesia afeta a experiência nessa situação e pode ter um efeito duradouro sobre a reação da criança e da família para atuais e futuros cuidados médicos. Uma abordagem sistemática para o controle da dor e ansiólise, incluindo formação de pessoal e desenvolvimento de protocolo, pode proporcionar conforto para as crianças no cenário de emergência, melhorar a equipe e a satisfação da família.

Por Dr. José Luiz Setúbal

Fonte: Relief of Pain and Anxiety in Pediatric Patients in Emergency Medical Systems

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade