PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
A piada da cama compartilhada
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
A piada da cama compartilhada

A piada da cama compartilhada

18/05/2012
  838   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Ter pulso firme pra não deixar as crianças dormirem na cama dos pais não é muito difícil, o complicado é lidar com os medos, pesadelos e febres dos pequenos

O que antes era para ser um princípio, virou um verdadeiro esculacho, ou uma cuspidona para cima, como costumamos dizer dos assuntos dos quais afirmamos: “nunca vou fazer isso quando eu for mãe!”.

Eu tentei me manter firme no propósito “cada um na sua cama” e não praticar o “modo cama compartilhada”. Inclusive, o “modo sono ao extremo” me dá forças além da racionalidade pura e simples dos meus princípios relacionados à maternidade. Lembro-me vagamente de ter negado a minha cama em duas madrugadas, uma vez para a Manu e a outra, para o Joaquim. Falei firme: “você não vai dormir na minha cama, cada um na sua”. Virei as costas, sai do quarto e voltei para o sono dos justos, assim como eles. Viram? É assim que se lida com manha de criança que insiste em ir para a cama dos pais.

Agora, podem dar risada da minha cara. Há três fenômenos rondando a minha casa à noite, são eles: medo do escuro, febre e pesadelo. As cuspidas aconteciam por volta das 3 da manhã, cada fenômeno se manifestando em uma noite específica, um revezamento lindo de se ver, parecia até combinado entre eles. Uma noite eu acolhia o medo do escuro, na outra, a febre e, na seguinte, o pesadelo.

Parece até fácil quando rola um revezamento quase olímpico, mas a equipe desandou, perdeu o ouro. Agora a febre se manifesta com o medo do escuro, que coincide com o pesadelo e o único traço olímpico que se vê por aqui é o meu, cumprindo as metas, etapas e saltando obstáculos da maratona que se impôs para mim.

Então, penso em duas alternativas opostas: reler pela enésima vez o “Nana, Nenê” ou investir em uma cama modelo familiar, 5×5, para ser exata e continuar cuspindo para cima todas as noites. Afinal, a maternidade está mais para cuspidas do que para regras e treinamentos para bebês e crianças. É isso mesmo?

Originalmente postado em: Mamãe tá Ocupada

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

mensagem enviada

  • viviane crispim muniz disse:

    Boa noite!!!!!!!!!!!!Tenho um filho de 5 anos e uma filha de 5 meses!São uma benção,mas a Clara ta me dando um trabalho na hora de dormir,coloco ela no berço mau da uma hora ela ja acorda pra mamar!!!Dou o peito quando penso que ela vai dormir a noite toda,da mais uma hora de novo o peito!!!!!!!Enfim a noite não durmo e de dia cuido dos dois,por que o Kauã precisa de min tbm!!!!!!Estou parecendo uma zumbi,e o pior estou perdendo muito peso parece quer estou doente!!!Por favor se alguem tem alguma dica me passa não aguento mais!!!!!SOCORRO!!!!!!!!!!!!!
    viviane

    • Equipe Sabará disse:

      Viviane, a primeira coisa que me ocorre é que talvez você não tenha leite suficiente, mas pode ser várias outras coisas. Tente conversar com seu pediatra que tenho certeza que ele poderá te orientar e dar dicas de como tentar resolver este problema. Obrigado.

  • Deborah disse:

    Ola querida, acabei lendo seu blog por acaso, tenho uma filha que é indomável!!! Se deixá-la chorando, chora por hooooooras. Por issom optei pelo livro Criando Bebes, que é o oposto do nana nene, e deu super certo, hoje minha filha tem um ano e meio, e começou a dormir a noite inteira (no livro diz que o bebe antes disso não tem maturidade neurologica para dormir a noite inteira), e ela simplesmente não chora pra nada, não precisa de colo (ganhou muuuuito porque tinha refluxo), aliás não gosta de colo, é super independente. Depois andei pesquisando sobre o nana nene (foi o primeiro que tentei aplicar), e li horrores de criticas sobre ele, de psicologos, neurologistas, pediatras, … Tem inclusive uma Phd em Neurociencia que escreveu recentemente um livro onde ela conta que nem berço e nem carrinho comprou pros filhos, dorme junto e usa o sling, ela é uma atriz do “The Big Bang Theory”.
    beijos!

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade