PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
As crianças e o fumo passivo
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
As crianças e o fumo passivo

As crianças e o fumo passivo

31/12/2012
  1019   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Pais fumantes precisam se conscientizar do uso do cigarro para não comprometer a saúde dos filhos

fumo passivo

De acordo com as autoridades americanas de saúde, não há nível seguro de exposição à fumaça do tabaco e, por isso, a única medida capaz de proteger as crianças e as famílias é manter o ambiente que frequentam livre do cigarro.

Existem milhares de trabalhos científicos que mostram a relação entre a fumaça de cigarro e o aumento de doenças na infância (para não dizer de adultos), entre elas:

1. Infecções de vias aéreas inferiores (pneumonias);

2. Morte súbita do recém-nascido;

3. Infecção de ouvido;

4. Aumento da gravidade dos casos de asma.

Desde 1992, o tabaco está relacionado entre as substâncias que podem causar câncer e é o responsável por 15.000 mil internações de crianças americanas todos os anos. Elas não fazem uso do cigarro, mas em grande maioria são fumantes passivas e suas casas são consideradas a principal fonte de contaminação, assim como os carros particulares que possuem o ambiente pequeno, considerados locais de maior risco.

Muitos pais sabem disso e evitam fumar na frente do filho, mas só essa atitude não basta, uma vez que os resíduos da fumaça impregnam em estofados, tapetes, cortinas e outras superfícies, podendo permanecer nesses ambientes por muito tempo.

A melhor política é abandonar o hábito de fumar, pois protege todos que estão ao redor do fumante. Quando isso não for possível, tenha uma ação clara para sua família, não permitindo fumar em casa, no carro ou em lugares em que você e as crianças frequentem a maior parte do tempo.

No estudo, Pais fumantes em seus carros com as crianças presentes, os pesquisadores entrevistaram 795 pais sobre a sua política e o comportamento de expor seus filhos a fumaça do tabaco em seus carros.

No total, 73% dos pais admitiram que alguém fumou em seus carros nos últimos 3 meses. Dos 562 pais que não têm uma política de carro livre do uso de cigarro, 48% fumavam dentro do automóvel quando seus filhos estavam presentes.

A maioria dos pais aprova uma política nos lares livre do fumo, mas apenas 24% deles tinham uma política de estar no carro sem a presença do cigarro. Poucos pais que fumam (12%) foram aconselhados por um prestador de cuidados de saúde pediátrica para ter o automóvel livre de fumo.

Como se pode ver nesse estudo, não basta ter o conhecimento, precisa agir para por em prática o conhecimento sobre o assunto e ajudar nossos filhos e familiares a ter hábitos de vida saudáveis.

Por Dr. José Luiz Setúbal

Fonte: Parents Smoking in Their Cars With Children Present – Dezembro 2012 | Pediatrics

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade