PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Bronca nos filhos dos outros, pode?
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Bronca nos filhos dos outros, pode?

Bronca nos filhos dos outros, pode?

08/06/2012
  1245   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Você chamaria a atenção de uma criança, se ela estivesse incomodando os outros pequenos?

Não me contive. Não aguentei. Não deixei passar.

Olha só: estávamos no clube em um domingo de manhã, um dia lindo de sol, aproveitando a piscina com as crianças. Mais especificamente, na piscina das crianças. Bem rasinha, segura, lotada de pequenos e até de bebês, todos acompanhados de algum adulto.

Em um certo momento, aparece um menino de uns 7, 8 anos, sozinho e do tipo “chatinho”. Ficava correndo de um lado para o outro, quase atropelando e derrubando as crianças bem menores do que ele, jogava água em todo mundo, tirava os brinquedos das mãos dos pequenos, tudo bem inadequado. Dava para ver a “tensão” dos outros pais diante da proximidade do moleque.

Até que vejo ele jogando água em uma menina fofa de tudo, de uns 3 anos e o pai dela olha feio e fala sério para o menino:

– Chega! Agora você vai parar de jogar água. Acabou.

Ele não foi bravo, não deu bronca, só chamou a atenção com seriedade, afinal o menino estava realmente passando dos limites com todo mundo.

Logo em seguida, o moleque resolveu pegar um dos brinquedos dos meus filhos. Até aí, sem problemas, só que ele passou a jogar, ou melhor, atirar o brinquedo no meio das crianças e, se acertasse alguém, machucaria com certeza.

Cheguei perto e falei em tom sério:

– Acho melhor você parar de jogar esse brinquedo, porque pode atingir alguma criança e machucar.

Só isso, gente. O menino atirou o brinquedo mais uma vez e saiu andando.

Meu marido achou que não se deve dar bronca em filho dos outros em hipótese alguma. Justifico dizendo que não foi uma bronca, chamei a atenção de um menino de 7, 8 anos, sozinho em uma piscina, que fatalmente acertaria e machucaria alguma criança bem menor do que ele.

E aí, pode?


Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

mensagem enviada

  • roberta maurano disse:

    Ola, help,minha filha dedois anos,grita muito,ja tentei de tudo,mas e muito rava!!!como devo agir,nos momentos em que esta gritando?

    • Equipe Sabará disse:

      Olá Roberta, encaminhamos sua dúvida ao nosso corpo clínico e em breve lhe daremos uma resposta. Abraços! 🙂

    • Equipe Sabará disse:

      Roberta, talvez sua filha precise de limites. Mostre para ela as coisas erradas no momento em que ela esta fazendo, faça isto procurando manter a calma e a autoridade.

  • Evelyn Toledo Dias disse:

    Sim, eu aprovo a chamada de atenção, com respeito e amor. Acredito que faz parte da vida – ação e reação…a criança precisa conviver com isso desde a infância – que suas atitudes afetam outras pessoas e uma vez provocada a ação, terá o retorno, positivo (carinho, elogio) ou negativo (bronca ou chamada de atenção)…simples assim…Tenho três filhos e mesmo com a minha orientação, algumas vezes, eles não atendem. Aprovo o apoio de outro adulto quando estiver certo e chamar a atenção com respeito, é claro!

  • Eliana disse:

    Acredito que pode sim!Eu tenho expêriencia como mãe e sei que tem crianças que aproveitam pelos pais estarem distantes para “Aprontar” e isso é normal.(O “mocinho” bagunceiro da história,só estava querendo chamar a atenção),então se ele percebeu que tinha alguém olhando por ele e impondo limites,mesmo não sendo os responsáveis,ele viu que não podia fazer o que quizesse naquele ambiente,e nem precisou brigar com ele,apenas chamar a sua atenção,como uma tia,uma avó,uma professora.

  • sonia nery disse:

    Achei super adequado sua postura, acho um absurdos pais que saem com os filhos e os deixam largados incomodando as pessoas sem nenhum respeito. Parabéns sua atitude foi maravilhosa, as crianças precisam de limites.

  • Lauri Sandra disse:

    Eu acho correto, principalmente nesse caso, tenho vários sobrinhos e sobrinhas aos quais eu sempre pego no pé, minha filha tem 8 meses e muitas vezes eles se debruçam, sobem em cima dela e isso chega a me irritar, principalmente quando vejo que as mães não se incomodam com a bagunça dos filhos eu do bronca, e na igreja então, quando a criançada fica correndo e gritando, eu chamo a atenção, eu fui criada para respeitar a casa dos outros e as pessoas a minha volta, então quando vejo as crianças de hoje que não respeitam nem pai nem a mãe quanto mais as outras pessoas fico imaginando o que faz os pais de hoje não educarem seus filhos simplesmente para respeitar o próximo, só assim a violência vai acabar, pois o amor e respeito ao próximo vem de casa, vem de berço.

  • Cris Chabes disse:

    Olá adorei seu post. Muito polêmico. Levei essa discussão para meu blog sobre educação dando os devidos créditos. Passe lá. Vou publicar no dia 27/07/2012
    http://redeeducacaoemfoco.blogspot.com.br/

    Eu sou professora e na escola “dar bronca” por algum comportamento indevido chega a ser normal, mas como mãe não daria bronca no filho dos outros. Como diz minha mãe…..”na hora da aflição sempre é preciso muito atenção para não perder a razão”.

    Abraços
    Cris Chabes

    • Equipe Sabará disse:

      Olá Cris, ficamos muito felizes em saber que nos acompanha no blog. Fique à vontade para discutir os temas abordados por nós, em seu blog. Abraços! 🙂

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade