PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Como falar com seus filhos sobre separação
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Como falar com seus filhos sobre separação

Como falar com seus filhos sobre separação

23/12/2016
  893   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

No mundo atual, as famílias são muito diversas pois a prática do divórcio é muito comum. Como pediatra vivi, muitas vezes, as angustias de pais de qual seria a melhor forma de abordar a separação do casal com seus filhos.

Crianças em níveis de desenvolvimento variados, naturalmente, têm uma compreensão diferente do divórcio. Os pais, portanto, precisam abordar o tema de acordo com a maturidade de seus filhos. Veja as dicas da Academia Americana de Pediatria.

Os pais de crianças pequenas devem manter rotinas, dar consistência nas regras e expectativas, e proporcionar carinho extra. Explicar às crianças e jovens que o divórcio não é culpa deles e que você os ama. Adolescentes provavelmente vão querer mais detalhes sobre o divórcio e como isso vai afetar suas vidas. Os pais dos adolescentes devem ter conversas calmas e abertas, apoiar as reações emocionais de sua adolescência e continuar a manter grandes expectativas para seu comportamento.

Para todas as crianças, a mensagem dos pais deve ser clara e simples. Ela deve deixar de fora detalhes complicados que podem levar as crianças a acreditar que precisam corrigir o problema ou que são a causa do divórcio. Os pais idealmente devem conversar juntos e devem explicar em um tom calmo algo como: “Nós decidimos que não podemos viver juntos, e não queremos mais ficarmos casados. Isso não foi uma decisão fácil, mas foi uma decisão adulta. Tem absolutamente nada a ver com você, nós dois amamos totalmente você “. As crianças podem ter sentimentos mistos em relação à notícia.

Outros pontos importantes a ressaltar:

  • Mamãe e papai vão ser felizes
  • Haverá duas casas onde você vai ser amado
  • Cada um de nós vai continuar a ser uma parte importante de sua vida
  • É importante ouvir e prestar atenção às reações de seus filhos.

Para crianças mais velhas, esta notícia não pode vir como uma surpresa. Eles podem ter amigos com pais divorciados. Para outras crianças, a notícia pode vir como um choque. Crianças preparadas e não preparadas tem muitas perguntas que têm medo de fazer. Algumas perguntas serão imediatas; outras irão aparecer ao longo do tempo. Por esta razão, é importante dar às crianças oportunidades repetidas para fazer perguntas e expressar as suas preocupações.

As crianças costumam se concentrar sobre se vão permanecer estáveis e seguros. Muitas crianças se perguntam como o divórcio irá mudar suas vidas no dia-a-dia. Outras grandes preocupações podem permanecer silenciosas. Incentivar as crianças a serem honestas sobre suas emoções e legitimar o que eles estão sentindo. A maioria das crianças se preocupa se elas foram responsáveis ​​pela dissolução do casamento de seus pais, mas poucos encontram a coragem de perguntar diretamente. As questões mais frequentes são:

  • Foi minha culpa?
  • Eu poderia ter feito qualquer coisa para fazer você ficarem juntos?
  • E agora? Se eu prometer me comportar, vocês vão ficar juntos?
  • Será que você ainda me ama, mesmo sem morar comigo?
  • Quantas vezes eu vou vê-lo?
  • Eu tenho que mudar?
  • Eu tenho que mudar de escola?
  • Será que vamos ter dinheiro suficiente?

As chaves para responder a estas perguntas são clareza, honestidade e garantia de que vão manter-se seguros e amados. Antecipe-se em dizer o que vai mudar na sua vida do dia-a-dia e ajude a prepará-los para essas mudanças. A mudança pode ser esmagadora e assustadora para as crianças; pode levar-lhes tempo para chegar a um acordo com as novas condições de vida e de custódia. Tente minimizar as interrupções para suas rotinas diárias, tanto quanto possível.

As crianças devem saber que não há absolutamente nada que eles fizeram que levaram seus pais a se separar. Deve ser reforçado repetidamente que a decisão de separar foi uma decisão adulta, com base em problemas de adultos. Este pode ser um ponto difícil de ser transmitido de forma convincente se as questões de educação infantil eram muitas vezes um ponto de discórdia. Contudo, é algo importante a fazer.

 

Autor: José Luiz Setúbal

Fonte: Autor Kenneth R. Ginsburg, MD, e Martha M. Jablow

Edifícando Resiliência em Crianças e Adolescentes: Dando Raízes e Asas crianças, 3rd Edition (Copyright: © 2015 Kenneth R. Ginsburg, MD, MS Ed, FAAP, e Martha M. Jablow)

As informações contidas neste site não devem ser utilizadas como um substituto para o cuidado médico e orientação de seu pediatra. Pode haver variações no tratamento que o seu pediatra pode recomendar com base em fatos e circunstâncias individuais.

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade