PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Como os bebês vão parar dentro das mães?
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Como os bebês vão parar dentro das mães?

Como os bebês vão parar dentro das mães?

03/02/2012
  711   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Existem certas respostas que são difíceis de dar às crianças…

Os meus filhos já parecem ter entendido um pouco sobre alguns funcionamentos do corpo humano.

Vejam só: quando comem, sabem que a comida vai parar na barriga.

– “Olha, Mamãe, a minha barriguinha tá cheia de brócolis!” (Tudo bem, essa fala é meio mentirosa, ninguém eeenche a barriga de brócolis, mas eles entenderam parte do caminho que a comida percorre, ok?).

Isso parece até meio besta, mas quem disse que a gente nasce sabendo para onde vai a comida? Porque para a barriga e não à cabeça? Ou para o pé? Isso é a nossa lógica, pensamento de adulto, definido como “pensamento operacional formal” pelo Piaget. Mas até chegarmos nisso, podem acreditar que foi um longo percurso e processo, coisa que não se atinge do dia para a noite.

Outra coisa que eles já entenderam é que quando a barriga fica enooorme, tem um bebezinho lá dentro, portanto a mulher está grávida e vai nascer uma criança.

Os três têm brincado de ficarem “grávidos”, colocam bonecas e bichinhos de pelúcia debaixo da camiseta e saem falando que têm um bebê na barriga. (Obviamente, tenho explicado bastante que só as mulheres ficam grávidas, mas brincar, simbolizar e fantasiar faz parte dos processos de conhecimento da infância, portanto não vejo mal nenhum os meninos fazerem esse tipo de brincadeira).

O alimento ir parar na barriga e ela ficar grande por estar grávida são duas coisas separadas nas cabecinhas dos meus filhos, já pude notar. Ninguém acha que se comer brócolis, vai ficar grávida de brócolis e nascer um bebê brócolis. São dois processos diferentes, eles entendem isso.

Agora é que vem o problema. A comida vai parar na barriga, porque comemos, mas e o bebê? Como vai parar lá dentro? E como sai? O que a gente responde quando surgirem essas perguntas difíceis e cabeludas? Quando elas surgem? As crianças estão cada vez mais precoces e “antecipadoras” das fases do desenvolvimento, principalmente quanto às curiosidades e argumentação toda…

Na teoria, eu sei responder, mas na prática, acho que vou ficar branca de nervoso e de dúvida e, depois, roxa de vergonha de tocar nesse assunto e ter que ficar dando explicações. (Sim, tenho pudores, dificuldades e constrangimentos!).

Fico me imaginando falando assim: “ o Papai e a Mamãe estavam namorando, daí o Papai botou uma sementinha na barriga da Mamãe, a sementinha foi crescendo, a barriga também e é daí que vêm os bebês, entendeu?”. Acho que não é mais assim que se fala… Coisa mais fora de moda…

Originalmente postado em: http://bit.ly/Am6EUq

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

mensagem enviada

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade