PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Cuidado com os fogos de artifício
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Cuidado com os fogos de artifício

Cuidado com os fogos de artifício

06/06/2012
  1475   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Descubra quais são os principais riscos e saiba como evitá-los

Chegamos ao meio do ano e nesta época, na nossa tradição folclórica, é tempo das festas juninas, com quadrilhas, comidinhas típicas e também tempo das fogueiras, balões e dos fogos de artifício. Embora o período mais comum de acidentes seja o final de ano, nos meses de junho e julho ocorrem muitos deles, principalmente em cidades do Norte e Nordeste do Brasil, onde acontecem verdadeiras guerras com fogos.

Todos sabem que os fogos de artifício são um perigo, seja para quem os manipula ou para aquele que apenas os observa, por isso é importante saber algumas coisas a respeito deles.

Os fogos de artifício, que muitas vezes são considerados seguros, mesmo aqueles conhecidos como estrelinhas, podem alcançar temperaturas a 1.000 graus Celsius. Existe a possibilidade também de que eles queimem os usuários e transeuntes e o mesmo acontece com as bombinhas mais inofensivas. Uma a cada dez pessoas, que mexe com fogos de artifício, tem os membros amputados, principalmente os dedos. Além de provocar queimaduras, quando explodem, eles podem causar mutilações, lesões nos olhos e até surdez.

O uso desses explosivos pode provocar queimaduras (70% dos casos); lesões com lacerações/cortes (20% dos casos); amputações dos membros superiores (10% dos casos); lesões de córnea ou perda da visão e danos do pavilhão auditivo ou perda da audição.

As pessoas mais atingidas são homens com idade entre 15 e 50 anos e crianças de 4 a 14 anos. Não se esqueçam que fogos são fascinantes e que, muitas vezes, as crianças não têm noção do perigo que é manipulá-los. Dados da Sociedade Brasileira de Queimaduras (SBQ) mostram que, durante as festas juninas, os atendimentos a pessoas que sofreram queimaduras chegam a dobrar, nas emergências dos hospitais. Mais de 80% das vítimas são crianças. Os motivos para esta alarmante incidência é a imprudência no uso de materiais inflamáveis e explosivos (fogos de artifício, balões) e brincadeiras perto das chamas das fogueiras.

Alguns cuidados para curtir as festas juninas com segurança é deixar que profissionais manipularem os fogos, pois eles conhecem os riscos e a prevenção. Fique atento:

– Não existe fogo de artifício seguro;

– Não segure os foguetes pirotécnicos com as mãos;

– Nunca deixe uma criança manipular ou ficar perto dos fogos;

– Prenda o rojão em uma armação, em uma cerca ou em um muro, e não fique próximo na hora de acendê-lo;

– Não tente acender fogos que falharem;

– Dispare os fogos somente ao ar livre, um de cada vez, e veja se não há substâncias inflamáveis ou redes elétricas nas proximidades;

– Tenha sempre um recipiente com água por perto para colocar os foguetes já usados, ou aqueles que falharam, a fim de que não haja riscos de novas explosões;

– Confira sempre o certificado de garantia do foguete;

– Nunca associe bebida alcoólica ao uso de fogos.

Por Dr. José Luiz Setúbal

Fontes: CQH- Entidade alerta para os perigos de acidentes com fogos de artifício; Pediatrics – junho de 2011 Summer Safety Tips – Staying Safe Outdoors; Jornal do Brasil – 29/1/2011- Acidente com fogos de artifício no Ano-Novo, em Brasília, é maior que na época junina

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade