PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Cuidados com o parto domiciliar
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Cuidados com o parto domiciliar

Cuidados com o parto domiciliar

20/05/2013
  570   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Saiba mais sobre as diretrizes da AAP e como garantir a segurança do recém-nascido

Parto em Casa

A polêmica do parto domiciliar está de volta. No ano passado, as sociedades médicas se colocaram contra este tipo de atitude e a American Academy of Pediatrics (AAP) publicou uma diretriz sobre o assunto.

“Apesar de ainda ser pouco comum, a taxa de partos domiciliares aumentou durante os últimos anos nos EUA e a AAP faz recomendações para o cuidado de crianças nascidas em um ambiente doméstico”.

A AAP concorda com a recente declaração do Colégio Americano de Obstetras e Ginecologistas (ACOG) sobre a opção mais segura para o nascimento de uma criança. No caso, o hospital. Além disso, ela reconhece que as mulheres e as famílias podem desejar um parto em casa por uma variedade de razões.

Os pediatras devem aconselhar os pais que planejam um parto domiciliar. A AAP e a ACOG recomendam apenas o auxílio de parteiras que são certificadas pela American Board Certification de Obstetrícia. Além disso:

• Deve haver pelo menos uma pessoa presente no parto, cuja principal responsabilidade é o cuidado do recém-nascido. Assim, deve-se verificar a formação adequada da criança, as habilidades e os equipamentos para a realização de uma reanimação completa do bebê caso for necessário;

• Todos os equipamentos médicos devem ser testados antes do início do trabalho de parto e o tempo deve ser monitorado;

• Um arranjo anterior precisa ser feito, como uma instalação médica para garantir o transporte seguro e oportuno, no caso de uma emergência;

AAP inclui o aquecimento, um exame físico detalhado, o monitoramento das taxas de temperatura, cardíacos e respiratórios, a profilaxia ocular, administração de vitamina K, imunização contra a hepatite B, a avaliação de alimentação, triagem hiperbilirrubinemia e outros testes de triagem neonatal;

Se justificado, as crianças também podem exigir monitoramento de doença por estreptococos do grupo B e triagem de glicose. “Documentação completa e follow-up com o provedor de cuidados primários de saúde da criança é essencial”.

Como se vê, as sociedades médicas brasileiras estão de acordo com as americanas. A diferença está na postura, ou seja, a mãe deve ter liberdade de escolha desde que seja informada dos riscos e ela deve ser preparada para o caso de alguma intercorrência.

Por Dr. José Luiz Setúbal

Fonte: Planned Home Birth| Pediatrics

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade