PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Da mãe que se entrega e do menino que não se suja
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Da mãe que se entrega e do menino que não se suja

Da mãe que se entrega e do menino que não se suja

14/06/2013
  356   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Em meio às brincadeiras, quem acaba sendo a criança sou eu

finger painting

Eu sou assim.  Me entrego. A tudo.

Sentimentos, tarefas, livros, amores, amizades (nem tanto, mas é a vida), enfim…

Sou caxias. Sou espontânea. Sou dessas.

Então que ser mãe deveria ser coisa simples pra um ser com essas características, certo?

Péééééé… Errado.

Tá certo que pra quem já é acostumado. Viver a maternidade pode ser um estágio mais avançado de se entregar.

Ok, a vida é feita de desafios, degraus e fases.

Mas, acontece que a pessoa aqui se joga em tudo. E eu percebi mais isso sábado, no parquinho.

Mães da geral estavam calçadas, batendo a areia da roupa assim que um grão mais ousado resolvesse por ali encostar.

Esta que vos tecla estava tão mergulhada na lama que provocava olharezinhos bobos e questionadores.

E mergulhada feliz, assim como um porquinho.

Ontem Isaac ganhou revistinha que ensinava a fazer ovo de dinossauro em papel machê.

Óóóó… Atividade com a cria?

Bem que ele quis, mas quem acabou enfiada no pote de água com farinha e papel picado?

Eu, né bem?

Que não arredei o pé do grude todo enquanto a bendita bexiga não estivesse completamente empapelada, colada e grudada.

E ai de quem mexer na minha obra de arte, a qual pretendo pintar, cortar e finalizar bonitinho ainda hoje.

Coisas simples da vida em que a gente vai se percebendo.

E percebendo o filho.

E meu filho é daqueles nojentinhos, sabe?

Que detesta areia na sandália, folha seca grudada na bunda, pretinho sob as unhas.

Isaac odeia qualquer coisa mais viscosa lhe pegando. E incluo na categoria colas, tintas, massinhas e afins.

Logo, o arrepio que lhe causa a lama fica intensificado cada vez que ele vê a própria mãe de barro até a tampa.

Logo, ele largou o projeto do ovo de dinossauro assim que percebeu qual era a base do trabalho.

Logo, tinta sem pincel e sem um rolo inteiro de papel toalha do lado é impossível lá em casa.

E eu já aprendi que ele é assim.

Acho uma judiação, é fato, já que é uma delícia essas atividades melequentas.

Mas ele já aprendeu também.

Que tem a mãe louca, desapegada do fator sujeira e fã de Omo.

E o melhor dessa história?

(E sei que Freud explica que tem muita gente que vai me julgar e ter dó do meu filho…).

É que ele se diverte por minha causa. Dos meus atos. Do meu jeito.

E ri bobo, de cantinho de boca, sabe? Cada vez que sentamos num parque, resolvemos “fazer trabalhinho” ou nos arriscar na cozinha.

assinatura-carol-v3 (3)

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade