PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Deixar ou não deixar a criança chorando?
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Deixar ou não deixar a criança chorando?

Deixar ou não deixar a criança chorando?

07/01/2013
  1340   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Não auxiliar as crianças de imediato faz com que elas enfrentem os impasses sozinha

choro infantil

Por instinto, muitos pais correm para o lado do bebê ao ouvi-lo chorar. Mas uma nova pesquisa sugere que seria melhor deixá-lo chorando um pouco.

Permitir que uma criança resolva seu desconforto não faz mal nenhum e pode, de fato, colaborar para que ela e os pais consigam ter uma noite de sono melhor, dizem os cientistas.

Um estudo das chamadas técnicas de sono comportamentais, tais como choro controlado – onde o pai espera certo período de tempo antes de decidir ajudar a criança –, descobriu que elas não tinham efeitos negativos. O risco da mãe sofrer depressão pós-parto pode também ser reduzido por meio da prática dessas técnicas.

O choro controlado foi uma escolha dos pais orientados por pediatras e profissionais de saúde e alguns acreditam no treino para que os bebês se estabeleçam a uma rotina.  Alguns pais e médicos querem saber se os benefícios das técnicas de sono são duradouras.

Um novo estudo feito na Austrália chamado Five-Year Follow-up of Harms and Benefits of Behavioral Infant Sleep Intervention: Randomized Trial, observou 225 crianças desde a infância até a idade dos 6 anos. Constatou-se que um programa comportamental de sono teve efeitos duradouros sobre crianças nos aspectos de saúde mental (menores níveis de estresse), na relação pai-filho e na saúde mental materna.

Os pais que relataram problemas de sono do bebê de 7 meses de idade foram elegíveis para o estudo. Para metade foi oferecido um programa de sono que envolveu o uso de rotinas de ninar positivas e duas técnicas comportamentais: “controlada reconfortante”, em que os pais respondem ao grito do bebê em intervalos de tempo cada vez maiores para permitir que ele se autorregule e “acampar”, onde os pais se sentam com a criança, sem intervir, de forma que ela consiga de forma independente adormecer, diminuindo a presença deles no quarto.

As melhorias no sono e na saúde mental das crianças e das mães ainda estavam evidentes até os 2 anos de idade, mas desapareceu por volta dos 6 anos.

Os autores concluem que as técnicas de sono são seguras e eficazes. Os pais e profissionais de saúde podem se sentir confiantes ao usar técnicas comportamentais para o gerenciamento de sono infantil.

Por Dr. José Luiz Setúbal

Fonte: Five-Year Follow-up of Harms and Benefits of Behavioral Infant Sleep Intervention: Randomized Trial Outubro 2012 | Pediatrics

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

mensagem enviada

  • Aline Gonçalves disse:

    Muito obrigada,pelas dicas e por esse espaço tão importante para informação dessa renomada instituição.

  • dhessica.ama.samuel@gmail.com disse:

    é muito interessante e um auto ajudas para as mamãe como eu o tempo é precioso cada minuto é importante obrigado,esta dando certo com meu pimpolho ele tem um sono perfeito de noite(nem acorda de noite) só no outro dia e muito bom para mim agradeço!

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade