PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
E os avós do seu filho? Como são?
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
E os avós do seu filho? Como são?

E os avós do seu filho? Como são?

22/02/2013
  333   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Passado e presente conflitam em diferentes histórias e comportamentos

Avós

Amiga querida questionou sobre os avós atuais. Se antigamente era melhor que hoje.

E fiquei inspirada.

Eu acho que não, em alguns sentidos práticos, mas fui invadida por uma onda saudosista e me pus a pensar no papel dos avós. Se, nesse caso, era melhor, pior ou diferente.

E então que me lembrei dos meus avós e de todos os detalhes deles que preenchem o meu tesourinho mental.

Minha avó tinha um saco cheio de botões que vinham sendo colecionados a nem sei quantas gerações. E adorávamos despejá-los no chão tentando descobrir com o que se pareciam.

Ela era brava, um tanto mal-humorada, mas nos deixava viajar nas suas tintas, telas e agulhas de tricô.

Minha outra vó, a Vozinha, tinha um malão de madeira de onde saía de tudo um pouco. Mais retalhos e tules, os quais ela liberava assim que sentássemos na máquina de costura pra fazer o que bem entendêssemos.

Um avô sabia imitar tooodos os cantos de passarinhos no assovio. Além disso, tinha um repertório de músicas antigas invejável. Até hoje, me pego cantarolando algumas delas para que não se percam na memória.

O outro nos deixava martelar, construir, subir na jabuticabeira, torrar e moer café, tirar ovos do ninho das galinhas e cuidar da horta – o que compreendia em pegar as folhas mais velhas e brincar de restaurante.

Enfim, era uma delícia passar os finais de semana com eles. Ter alvará para dormir na casa deles, então, era uma festa.

Mas e hoje? Tô aqui, pensando, com essa modernidade toda, como é que são os avós do Isaac…

Bom,

Eles têm a tecnologia.

Eles são mais flexíveis.

Eles mimam pacas.

Eles têm suas particularidades.

Não que seja pior, mas é diferente.

Outro dia, Isaac chegou em casa enlouquecido porque ajudou a minha mãe a pegar limões no pé.

Mas isso é raro hoje.

Fora toda a comodidade, TV está lá, pronta para ajudar os avós cansados.

E como eles estão cansados, não?

Falo por mim. Minha vozinha de 90 anos tem mais pique que eu e a minha mãe. Verdade.

Vejo também que tudo acontece dentro de casa. Na sala. Sem muita sujeira.

E eu não vou cobrar que os avós mudem. Longe disso.

Vou eu com filhote passar à tarde no parque se lambuzando de lama e catando pedrinhas.

Mas e vocês? Alguma recordação da infância? Alguma análise sobre as vovós atuais?

 assinatura-carol-v3 (3)

 

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade