PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Entre tapas, urros, socos, mordidas e pontapés
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Entre tapas, urros, socos, mordidas e pontapés

Entre tapas, urros, socos, mordidas e pontapés

05/09/2014
  753   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

 

Aí você lê esse título e acha que eu fui a alguma final de campeonato.

Não.

Pensa que me meti a ser ativista em algum movimento sem medo de nada.

Não.

Então de onde raios saiu essa violência toda, pergunta a querida leitora.

E eu respondo:

Do comportamento louco que agora habita a rotina do loirinho fofinho que chamo de filho.

Simples.

Sofri (oh! vida!) tanto em vê-lo sendo aquele que apanha, que perde o brinquedo, que não revida… que no mínimo, fui castigada.

Dramas a parte, sei que é fase.

Fui avisada pela Querida Psicóloga que ele estaria soltando “alguns monstros” nos próximos capítulos e assim foi.

Agora Isaac é encrenqueiro.

Daqueles que vão pra cima até dos meninos maiores.

Eu fico de longe deixando ele aprender algo com isso, mas me enfio no meio quando acho que devo:

 

– Mas eles me chamaram de tampinha mamãe….

 

– Ok. Você está certíssimo em se defender. Mas a mamãe veio porque “brincadeira de mão” não dá muito certo.

 

(eu é que não ia deixar dois marmanjinhos de 8 anos judiarem do meu filho, certo?)

 

Mas existem outras situações também. Ele não é vitima.

Fomos passear ontem numa praça pública, cheia de equipamentos para ginástica.

Logo Isaac ganhou uma fã (uma menininha de dois anos) que o seguia por onde ele fosse.

E tão logo quanto, a fã ganhou cara feia e um apertão daqueles.

Daqueles com raiva, pra doer.

E lá fomos nós, procurar um meio termo e salvar a pequena desconhecida (e que um dia vai dar uma fora nele na balada, certeza):

 

– Mas ela está me seguindo.

 

– E você não sabe pedir pra ela parar?

 

Embicou e calou.

Em casa retomamos um pouco a questão.

E vamos convivendo com a necessidade de ensinar quando e como usar essa raiva que ele libera agora.

Não é fácil.

Ainda mais quando nos tornamos alvos também.

Isaac tentou me bater e não ficou feliz com as consequências.

Agora ele não faz mais isso.

Ele urra, berra, e me xinga numa língua que só ele entende.

Eu vou aprendendo.

E tentando.

Muito.

Carol Garcia

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade