PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Filhos: diversões e emoções
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Filhos: diversões e emoções

Filhos: diversões e emoções

17/08/2012
  486   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Eles nos fazem rir e muitas vezes nos surpreendem com suas atitudes

carinho-de-filhos-e-consolo-por-parte-deles

Uma das melhores partes de ter filhos é a diversão que eles nos proporcionam, certo? Outro dia, na saída da escola, falei para a Manu tentar adivinhar a surpresa que tinha em casa para ela. E ainda dei a dica: “começa com a letra E!”. Na hora, ela disse:

– EME E EME!

Também me falou que gostaria de viajar para um lugar bem longe e bem frio, chamado PAULO NORTE. O raciocínio foi brilhante, já que ela disse que mora em SÃO PAULO, mas queria conhecer as “cidades parecidas”: PAULO NORTE E PAULO SUL.

Essa cabeçudinha querida é capaz de me arrancar gargalhadas inesperadas com essas conversas, mas também me faz viajar no tempo, faz com que eu me sinta uma mãe de adolescente quando ela canta, como se estivesse na balada, a música “It´s not about the money”: “Mamãe, eu adoooooro essa música! Toca lá na minha ginástica olímpica!”.

Também é capaz de me arrancar lágrimas quando nos sentamos juntas para ver o álbum de quando ela nasceu, fotos na maternidade, os primeiros dias de vida em casa, as visitas, enfim, um álbum com fotos em ordem crescente desde que veio ao mundo. O comentário dela:
– Passa muito rápido, né?!

E em seguida, me abraçou e chorou sentida de tudo, pois queria voltar a ser bebê para poder passar mais tempo comigo, ou melhor, ficar o tempo todo no colo.

Com a sensibilidade e maturidade que a definem, me pegou chorando pela casa, um dia em que eu estava bem chateada. Ela sabia o motivo do meu choro e conseguiu me consolar numa verdadeira inversão de papéis, difícil saber quem era a mãe e a filha naquele momento.

É muito divertido, mas, às vezes, também é assustador. Acho que é o tempo. Eles deixam de ser bebês e passa rápido mesmo, minha filha. Vão adquirindo personalidade, mostrando quem são e o que vieram fazer e trazer para a vida da família. Eu morro de curiosidade de ler os capítulos seguintes dessa história, mas às vezes gostaria que o livro parasse aí…

Originalmente postado em: Mamãe tá Ocupada

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade