PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
O primeiro dia de férias
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
O primeiro dia de férias

O primeiro dia de férias

06/07/2012
  378   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Bagunçar todo mundo quer, mas e fazer companhia para a Mamãe?

Eu planejei o primeiro dia de férias das crianças para que fosse uma verdadeira comemoração, mas deu quase tudo errado! Começou quando eu falei que eles poderiam dormir até tarde, tipo meio-dia, mas os três acordaram no horário habitual.

O almoço era especial com tudo o que eles gostam e a sobremesa, mais ainda! (Brigadeiro de colher caseiro em porções individuais e generosas, dá para ser melhor?). Isso os meus filhos curtiram um monte, que bom!

Daí, teve uma tarde inteirinha no clube, na companhia de uma amiga querida e com a presença de uma mãe (eu!), uma avó (a da amiga!) e duas dúzias de babás. As crianças beberam água do bebedouro, por pura farra, se ensoparam, tiraram as camisetas e eu deixei tudo! Afinal, o primeiro dia de férias deve ser uma festa, certo?

Tomamos lanchinho especial no clube e a coisa começou a desandar. A Manu recebeu um convite de outra amiga querida para ir dormir na casa dela e, obviamente, aceitou. O Pedro começou a chorar, porque queria ir para casa, nem se deu ao luxo de curtir tudo. Mas ainda faltava a parte do programa de ir com eles ao supermercado e comprar todas as coisinhas gostosas para o fim de semana.

Saímos do clube, deixamos a Manu na casa da amiga (uma filha a menos) e retomei à ideia de irmos ao supermercado, só a Mamãe e os meninos. Não houve jeito de convencê-los, nem com a chantagem de comprar as milhares de frutas fresquinhas.

Cheguei a perguntar com certa insistência se eles ainda me amavam e até disseram que sim, mas queriam ir para casa e disseram que fazer compras no supermercado é “muito chato!” (Eu também detesto comprar produtos de limpeza, por exemplo, mas bala, chocolate, Danoninho e pirulito???).

Então, eram 6 da tarde e lá estava eu, sozinha naquele supermercado imenso, me perguntando se há justiça e gratidão nessa vida louca que é a maternidade.

Existe, gente? Ou vai ser assim daqui pra frente? Agora que a minha filha dorme fora de casa e os meninos viraram homens que não colocam os pés no supermercado nem para comprar o próprio leite??

Originalmente postado em: Mamãe tá Ocupada

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade