PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
O senso de humor dos bebês
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
O senso de humor dos bebês

O senso de humor dos bebês

12/12/2012
  749   
  2
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Estudo afirma que rir é um comportamento absorvido do meio em que os pequenos convivem

senso de humor dos bebês

Os bebês podem desenvolver um senso de humor por causa da reação dos pais a situações engraçadas, conforme estudo apresentado na Sociedade Britânica de Psicologia.

Os pesquisadores monitoraram 30 bebês de seis meses em suas casas e, depois, aos 12 meses de idade. Eles estudaram como eles viam seus pais reagirem a dois eventos comuns, tais como a leitura de um livro e olhar para uma bola de espuma. O pesquisador inseria, posteriormente, eventos mais absurdos, como deixar o livro sobre a cabeça, colocar a bola de espuma no nariz e fazer onomatopeias como “Beep Beep!”. Os pais foram orientados a apontar e rir ou apenas olhar sem expressão para os filhos.

No momento em que cada bebê tinha 1 ano de idade, ele ou ela riu com os acontecimentos absurdos, mesmo que seus pais tivessem permanecido impassíveis.

Ao prestar atenção ao evento absurdo e como os outros reagem aos seis meses de idade, os bebês são capazes de desenvolver o senso de humor que eles terão com 12 meses, diz o estudo. “Nossas descobertas sugerem que, com seis meses de idade, os pequenos começam a ver os pais como uma fonte de informação emocional”, afirma a autora Gina Mireault.

“O humor pode parecer um assunto frívolo, mas fornece um veículo para o desenvolvimento infantil. Neste caso, o desenvolvimento de referência social”, ela completou.

Por Dr. José Luiz Setúbal

Fonte: Daily Briefing  by Advisory Board (Preidt, HealthDay, 9/6)

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

mensagem enviada

  • nine disse:

    oi,minha neta de um ano e seis meses convive pouco comigo (convive mais com os avós maternos),quando vem á minha casa ainda estranha, mas logo se solta, brinca comigo,troco sua fralda, dou comida e até fica comigo quando sua mãe precisa sair.E por duas vezes já aconteceu de no dia seguinte parecer que nunca me viu antes e me rejeita. Geralmente está no colo da mãe e a desculpa é que está com sono.ela pode estar repassando algum sentimento materno em relação a mim?

    • Equipe Sabará disse:

      Olá Nine. É importante que você não fique imaginando nenhuma situação além do comum. Procure conversar com sua neta e aproveitar bem o tempo que tem junto com ela. Abraços! =)

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade