PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Os apelidos dos gêmeos idênticos
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Os apelidos dos gêmeos idênticos

Os apelidos dos gêmeos idênticos

01/10/2011
  2801   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

A Manu adora ouvir histórias de quando as pessoas eram pequenas, podem ser histórias dela, do Joaquim e do Pedro, minha, do pai dela, enfim, tendo gente conhecida e sendo uma boa história, o sucesso é garantido! E a repetição da “contação” também.

A história da vez (tem sempre uma eleita, a do momento, a da moda, né?!) era essa aqui: “A coitada da primogênita ganhou 2 irmãos de uma única vez. Como se esse fato não fosse difícil o suficiente, eles eram idênticos.

Joaquim e Pedro nunca tiveram apelidos na nossa cabeça antes de nascer. Arranjar um para “Pedro” é fácil, mas para “Joaquim” parecia mais complicado. Joca? Jô? Quim?

O Pedro, menino lindo que nasceu ratinho de tudo, cheio de sobras de pele não preenchidas, logo virou “Pedrinho” e depois “Pepê”. Assim ficou, até hoje. (Claro que mãe é um bicho estranho e arranja zilhões de apelidos para os filhos, mas nem vou compartilhar, afinal quando eles forem adolescentes, vão querer me matar bem matadinho).

Daí, a Manu resolveu o nosso problema e apelidou o Joaquim de “Quiquim”, o que permanece até hoje.

E o Pedro? Ela não nomeou, não? Naquela época, absolutamente, não.

Em um episódio bem engraçado, perguntamos a Manu como chamavam os irmãos e ela respondeu:

– Quiquim!

– Quiquim e…

Manuzinha, pensando no irmão “espelhado”, responde brilhantemente:

– Quiquim e outro Quiquim!!”

Mas, passou e o “espelho” já se quebrou. A resposta perdeu essa graça espontânea e criativa tão característica das crianças!!” Então, a contadora da vez dessa história era a minha mãe, que reproduzia a gracinha na maior empolgação. Chegando ao fim, todo mundo deu risada com a frase final: “O Quiquim e o outro Quiquim”. Mas, não terminou aí, não.

O Pedro, em um momento também brilhante, de menino praticamente caçula e observador que só ele, responde assim, no mínimo, indignado:
– Não!! O Pepê e o outro Pepê!!

(“Boa, filho!”, mentalizo aliviada!)

 

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade