PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Os sonhos de Manu…
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Os sonhos de Manu…

Os sonhos de Manu…

06/01/2012
  481   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Deixar a criança contar seus sonhos, além de ser divertido para os pais, revela a capacidade criativa da mente infantil

Eu fiz o meu caminho e as minhas escolhas na faculdade de Psicologia, seguindo os sonhos. Não esses bestas dos Concursos de Misses, mas os sonhos mesmo, os que nós temos durante o sono, as chamadas “atividades oníricas”.

Adoro ouvir os sonhos alheios e tentar interpretá-los, fiz muita terapia sem nem falar de pai e mãe, mas só com o meu caderninho de sonhos. Ele ficava na minha mesinha de cabeceira, era a primeira coisa em que eu encostava, quando acordava e já ia logo fazendo as anotações sobre a noite anterior para poder levar à terapia. O caderninho era hiper ultra secreto, mais do que todas as minhas agendas e diários, já que eu acredito com todas as minhas forças o quão revelador um sonho é.

Daí, eu tive uma filha e depois mais dois filhos e o meu sono nunca mais foi o mesmo. Para lembrar dos sonhos, tem que dormir de verdade por um bom tempo, sem ficar acordando de hora em hora ou no susto. Portanto, a conclusão triste é de que eu não lembro mais dos meus sonhos e daí tenho que ficar falando de pai e mãe quando me deito no divã.
Para a minha alegria, a Manu sonha um monte. Às vezes, tem pesadelos, o que me obriga a ir dormir junto dela, mas, de forma geral, ela sonha muito e fica maravilhada com a própria capacidade de produzir imagens e histórias tão fascinantes!

Eu me delicio e posso ouvir os sonhos da minha filha o dia inteiro, coisa que ela faz sem que seja necessário pedir. Repete os sonhos ao longo do dia, para todo mundo que passa por perto e inclui sempre os mesmos detalhes (só que se ela soubesse a “profundidade reveladora” dos sonhos, faria como eu e anotaria em um caderninho fechado com cadeado!).

Outro dia, acordou falando que um índio queria colocar fogo no ombro dela e que a minha irmã a salvava. Teve uma história de ir à uma loja de relógios com os padrinhos, ganhar um adesivo da Cinderela para colar no relógio, mas o tal adesivo era muito grande e teve de ser cortado na metade. O mais recente foi com o Mogli, aquele menino lobo, que estava cozinhando macarrão dentro de um saco de pipoca.

Sabe aquela pessoa que fala sobre as novelas como se fosse a vida real? Essa é a Manu com os seus sonhos, tem certeza de que se trata da realidade. Eu dou corda, quero saber mais e vivo soltando os meus “jura?” quando ouço os relatos dos sonhos (viajantes!) da minha filha e morro de fofura quando ela me responde:

– Juro, Mamãe! Tava tudo escuro no meu quarto, mas eu vi aqui no meu olho!

Originalmente postado em: http://bit.ly/tzHqNe

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade