PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Pode-se fazer musculação na infância e juventude?
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Pode-se fazer musculação na infância e juventude?

Pode-se fazer musculação na infância e juventude?

29/07/2012
  1172   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Neste clima de esportes das Olimpíadas, fique por dentro dos benefícios e malefícios da prática por crianças e adolescentes

Os pediatras estão acostumados a ouvir de adolescentes ou dos pais deles, se esses jovens podem frequentar academias ou fazer musculação. Existe um artigo da revista Veja sobre o assunto, que aborda um artigo da Revista Paulista de Pediatria, da Sociedade de Pediatria de São Paulo (revisão feita por dois médicos de Salvador – BA) e fala sobre o que os pais devem saber sobre a prática esportiva, sem prejuízo do crescimento e da saúde do pequeno.

Abaixo, cito as principais recomendações dos pesquisadores:

1. “O exercício físico deve ser de leve a moderado. De forma geral, ele estimula o crescimento e deve ser incentivado. A atividade física extenuante, principalmente quando associada à restrição na dieta, afeta o crescimento, o desenvolvimento do adolescente na fase da puberdade, a função reprodutiva e a mineralização óssea. O treinamento de alto rendimento deveria acontecer somente para os adolescentes mais velhos, que já apresentam estágio de maturação óssea finalizado.

2. Quanto à prática de musculação por crianças e no início da adolescência, algumas pesquisas a consideram prejudicial. Outras, porém, sustentam que ela pode ser benéfica, desde que seja bem supervisionada. Aqueles que são contrários a este tipo de exercício alertam sobre o potencial risco de lesão da cartilagem de crescimento e de fechamento precoce dessas estruturas, como resultado de sobrecarga excessiva. Isto é particularmente importante em crianças com baixa estatura que, na tentativa de compensar a baixa altura com o aumento da massa muscular, podem prejudicar ainda mais seu potencial de crescimento.

O efeito benéfico e seguro da musculação em crianças se observa em programas experimentais que utilizam pesos com a supervisão de instrutores, com frequência de duas a três vezes por semana. Nesses casos, mesmo em pré-adolescentes, ocorre um aumento de força e resistência muscular, em resposta às adaptações neuromusculares; sem hipertrofia muscular, existe baixo risco de lesão e isso não afeta negativamente o crescimento”.

Como se vê aqui e em vários artigos colocados por nós em neste blog, a prática esportiva é salutar, mas precisa ser feita sob o olhar de uma pessoa que saiba o que está fazendo (médico do esporte, professor de educação física, pediatra, treinador, etc.) e com orientação para a criança, jovem e familiares.

Por Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade