PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Por que não uma escola nova, grande e tradicional?
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Por que não uma escola nova, grande e tradicional?

Por que não uma escola nova, grande e tradicional?

30/03/2012
  703   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

As crianças necessitam brincar e se divertir, mas também precisam aprender a ter disciplina e respeito pelos mais velhos

Eu estudei por alguns bons e importantes anos da minha vida em uma escola bem “hipponga”. Tenho excelentes recordações das pessoas, dos professores e do ambiente todo, mas, hoje em dia, questiono um pouco. Nessa escola, o currículo era baseado em metodologias extremamente divertidas, mas nada convencionais.

Apesar das excelentes e eternas recordações, a visão que tinha do conteúdo era extremamente fraca e defasada. Sou a maior testemunha do tanto que eu tive que correr atrás e ralar para dar conta do conteúdo acadêmico “de verdade”.

Essa escola me proporcionou uma formação pessoal e individual, mas nunca nem mencionaram o termo “fração”, por exemplo. Por outro lado, eu passava os intervalos e recreios pendurada em uma mangueira centenária e enorme ou nos pés de amoras e jabuticabas.

Então, eu tive os meus filhos e precisei escolher uma escola para eles. A primeira, aquela de bairro, bem educação infantil mesmo, que te abraça e te acolhe como uma mãe. Com as crianças então… sem palavras pelo carinho e dedicação em todos os cuidados e aprendizado.

Mas esse estabelecimento de ensino, como eu disse, era pura educação infantil, que acabou para a Manu. O Joaquim e o Pedro continuam por lá, fe-li-zes da vida, mas a minha filha trocou de escola e foi para uma dessas bem grandes tradicionais, onde eu pretendo deixá-la até o momento de ir para a faculdade.

Trocar o quintal de casa por um novo e grandioso mundo não é das tarefas mais fáceis, mas ela tem enfrentado tudo com grande naturalidade e maturidade. Além de muito entusiasmo e animação, do tipo que reclama quando chega o fim de semana e não tem escola.

Nesse lugar, os alunos chamam as professoras de Dona Fulana, bem diferente de Rê, Jú e Cá, como na anterior. Os pais, passado o momento da adaptação, não podem levar os filhos até a classe, devem deixá-los em um portão e as mocinhas e mocinhos vão sozinhos ao encontro das Donas. O Hino Nacional é executado todas as sextas-feiras e esse momento inclui toda a formalidade cívica que lhe é cabido. Eu mesma não me sinto acolhida e abraçada em um lugar assim, mas estou igualmente feliz e entusiasmada com tanta novidade!

Manuzinha é praticamente chamada pelo sobrenome, tamanha a lista de “Manuelas”, mas até isso é legal. É claro que a escola tem os momentos em que as crianças se jogam na areia, na tinta e na massinha, mas o que eu estou tentando mostrar aqui é que há uma super disciplina e respeito em tudo o que é realizado. E é disso que eu gosto, aliás que nós, meu marido e eu gostamos (além da Manu ter aprovado a mudança também).

Somos do tipo que não gosta de escolas que chamam a professora de “tia” e mesmo que “Dona” possa parecer exagerado, acho que transfere o respeito e a autoridade que o professor deve ter e isso nunca é demais. Da mesma forma, o estabelecimento de ensino não é quintal para os pais, como eu até havia dito, mas sim um local de estudo, rotina e disciplina que deve sofrer interferências mínimas de entra-e-sai de pai e mãe. Mas isso não precisa excluir encontro de pais e dia da família do calendário escolar. Ao contrário, essas datas já estão programadas e agendadas!

Enfim, estamos todos felizes e satisfeitos com a escolha, com a decisão, com a Dona e com o Hino Nacional.
E vocês, também estariam?

Originalmente postado em: http://bit.ly/GKAMNf

 

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

mensagem enviada

  • Roseli disse:

    Nossa, que legal o seu texto! Ano que vem, meu filho vai para o 1. ano, e estou exatamente nesta fase de definicao de escola. Eu queria uma escola bem construtivista de verdade, que combinasse com o jeito irreverente do meu filho. Atualmente, ele esta em fase de alfabetizacao, e noto que ele esta indo muito bem, entao penso que uma escola tradicional nao seria tao ruim. Muito bom “escutar” sua opiniao. Da sua colega psicologa.

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade