PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Quem tem medo de dentista?
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Quem tem medo de dentista?

Quem tem medo de dentista?

15/06/2011
  734   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

As mães sempre perguntam qual é a idade certa para levar seus filhos ao dentista. Eu respondo que não existe idade, pois o ideal é que haja acompanhamento desde a gravidez, não só para que a mãe seja orientada desde cedo, mas também para que ela tenha uma boca saudável para receber o bebê.

Nós adultos não temos boas recordações dos nossos tratamentos dentários. A maioria tem sempre alguma história meio trágica para contar, e isso normalmente acontece na presença dos filhos. Então eles ficam fantasiando o quão monstruoso seria este ser chamado “dentista”.
Eu mesma me lembro com pesar de tratamentos não muito ortodoxos aos quais fui submetida e o quanto a mão do meu dentista era grande.

Além disso, ele enchia minha boca de algodão e eu não tinha nem ideia do que ia acontecer. Enfim, não há um só entre nós que não arraste até hoje certo desconforto ao ter de enfrentar o tal do “motorzinho”. Muitos adultos buscam odontopediatras na esperança de um pouco mais de paciência e carinho, e isso funciona bastante.

As coisas mudaram e hoje estamos mais voltados para a prevenção e, principalmente, para um relacionamento especial com as crianças. O odontopediatra deve criar vínculos, desmistificar todas aquelas “coisas estranhas” e fazer com que a criança sinta-se confortável quando visitar o consultório. Ela tem de ter confiança e afinidade, achar até divertido e ter a liberdade de saciar toda a curiosidade que envolve o tratamento. Essa é a “mágica” que o profissional de hoje tem como meta no seu dia a dia.

Procuramos condicionar o paciente, isto é, fazer com que ele se acostume com todas as novidades e com os procedimentos mais comuns, como profilaxia (limpeza), flúor. Quanto mais cedo seu bebê conhecer e se familiarizar com este universo, maior a chance de ele ter lembranças opostas às nossas. Não se espante se ele começar a lembrar você de levá-lo ao consultório.

Isso é resultado de uma mudança de conceitos — e, felizmente, seus filhos têm total acesso a esse benefício. Procure um bom profissional o quanto antes e vamos começar a mudar esta história. Lobo mau, só no livro do “Chapeuzinho”.

Publicado originalmente por Martha Hadad no blog Na Boca do Bebê.

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

mensagem enviada

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade