PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Saiba mais sobre piercings
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Saiba mais sobre piercings

Saiba mais sobre piercings

03/01/2012
  2585   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

A higienização deve ser feita no estúdio em que é colocado o piercing e o jovem também deve tomar certos cuidados com a esterilização do acessório

Historiadores acreditam que o piercing existe há de 2000 anos. Alguns clãs usavam acessórios para furar a pele em cerimonias de simbolismo com significados estéticos, religiosos, espirituais, sexuais e de rituais de costume ou de passagem.

Nos anos 60 e 70 seu uso ganhou força com os hippies e chegou à Inglaterra com o movimento Punk e nos Estados Unidos com o movimento gay nos anos 80 e 90, o que chamou a atenção em todo o mundo pela ligação que ele fez com o primitivo e o moderno.

Atualmente, a maioria dos adolescentes colocam piercings porque gostam da nova aparência. No entanto, em São Paulo, existe uma lei (9.828/97) que proíbe menores de 18 anos façam tatuagens e coloquem piercings. Mas, se seu filho está decido a usá-los, alguns cuidados com a segurança devem ser tomados.

As regras de segurança devem ser sempre seguidas, incluindo as seguintes:

1- Um estúdio de piercing deve ser limpo como um consultório dentário. A área de trabalho deve ser limpa e ter uma boa iluminação;
2- O equipamento usado deve ser esterilizado por uma máquina chamada autoclave;
3- O profissional deve lavar e secar as mãos e usar um par novo de luvas;
4- Todo o material deve ser novo e esterilizado. Nunca permita que ele seja usado.

Quais são os riscos?

Os piercings na língua são os mais perigosos. Podem provocar infecções na gengiva, problemas respiratórios e até prejudicar a fala,. Existem trabalhos que os relacionam com câncer nestes locais, mas ainda não há comprovação científica.
No nariz e na parte superior da orelha, as contaminações ocorrem porque o tecido das cartilagens tem pouca irrigação. Isso dificulta a ação defensiva do organismo no combate aos micróbios.
No caso das mucosas (lábios, língua e genitais), a umidade pode abrir caminho para a proliferação de fungos e bactérias.
No umbigo, as dobrinhas dificultam a higienização.

Quais cuidados devem ser tomados?

1- Quando colocar piercing na língua, ela ficará inchada. Colocar gelo ajudará na diminuição do inchaço. No entanto, evite chupá-lo e deixo-o derreter na sua língua, caso contrário, o inchaço poderá aumentar;
2- Existem algumas limitações alimentar, depois que o piercing for colocado na língua. Prefira alimentos macios, frios com gelatinas, sorvetes. Normalmente, a língua fica sensível após a colocação;
3- Evite os alimentos quentes, como o café, pois o piercing irá absorver o calor;
4- Evite também alimentos ácidos, como o catchup e com altos teores de sódio, como carnes e alimentos processados, uma vez que irão causar uma sensação de ardor no local do piercing;
5- Alimentos como macarrão e pizza de queijo podem envolver o piercing e puxá-lo, por isso tenha cuidado enquanto comer estes tipos de alimento;
6 – Você terá que limpar seu piercing de língua, após cada refeição e não mais três vezes ao dia. Evite a limpeza obsessiva, pois pode causar uma leve infecção oral. Primeiro, lave bem as mãos para não transferir germes à boca. Em seguida, escove os dentes com uma escova macia e a utilize tanto para limpar o local do furo como também a parte superior e inferior do piercing. Depois faça o enxague com água e na sequência com desinfetante bucal sem álcool.

Adaptação: Dr. José Luiz Setúbal

Fontes: Tatuagem e Piercing – Academia Americana de Pediatria e Piercing Lingual prejudica a saúde – Virgilo Nascimento

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

mensagem enviada

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade