PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Tatuagens médicas salvam vidas?
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Tatuagens médicas salvam vidas?

Tatuagens médicas salvam vidas?

26/07/2012
  816   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Elas são usadas, por exemplo, para avisar equipes médicas sobre problemas de saúde em pacientes que estejam inconscientes

Achei curiosa a chamada desta matéria do Advisory Board Company, do qual o Hospital Sabará faz parte. Embora não tenhamos dados no Brasil, eu pessoalmente nunca havia ouvido sobre tatuagens médicas, com orientação de alertas ou recomendação do que fazer em caso de acidentes. Como neste país também o uso de tatuagens é cada vez mais comum entre os jovens, é possível que essas recomendações cheguem até nós também.

Quase 40% dos residentes nos Estados Unidos entre 18 e 40 anos de idade têm tatuagens e começam a aparecer as “tatuagens médicas”, como uma versão definitiva das tradicionais pulseiras, de acordo com um relatório no Canadian Medical Association Journal.

As tatuagens servem para sinalizar que o paciente sofre, por exemplo, de diabetes ou se apresenta risco de vida alergia à penicilina, com a intenção de que o pessoal de emergência vai vê-lo se estiver inconsciente. Enquanto as pulseiras e colares MedicAlert servem para este propósito, alguns doentes abandonaram o uso delas porque:

1. Tiveram alergia a metais usados na pulseira ou colar;
2. Pulseiras ou colares podem quebrar ou serem perdidos, especialmente em uma situação de emergência;
3. Muitos não podem usar estes artefatos no emprego por causa do segmento do trabalho ou regras das empresas.

No entanto, o pessoal de emergência pode, acidentalmente, ignorar tatuagens médicas, pois ao contrário de pulseiras MedicAlert, elas variam muito no local, e podem apresentar qualquer forma de asas de anjo e crânios a personagem de desenhos como Hello Kitty.

As tatuagens ainda devem ser padronizadas para que o uso delas pelo pessoal de emergência seja eficaz. Mesmo quando eles virem aquela que se lê “Não Ressuscitar”, uma vez que não constitui um documento escrito, autenticado, de acordo com as recomendações das leis dos países

Na verdade, uma tatuagem pode até prejudicar a saúde de alguém ou retardar o processo de recuperação. Os paramédicos podem ficar relutantes em prosseguir com a mesma velocidade ou começar a procurar por um documento oficial, segundo as opiniões de alguns serviços médicos.

Como se vê a polêmica está só começando por lá e pode gerar confusão por aqui também.

Por Dr. José Luiz Setúbal
Fonte: (Collier. Canadian Medical Association Journal , 5/14; CBC News , 5/15 ).

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade