PESQUISAR

Residência Médica
Residência Médica
Um alerta sobre a atividade física
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Um alerta sobre a atividade física

Um alerta sobre a atividade física

19/12/2019
  560   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Desde sempre sabemos que meninos fazem mais atividade física que meninas. O motivo? Os hormônios os tornam mais agitados e ativos fisicamente levando-os a gostar mais de atividade física. Porém, é importante lembrar que o Brasil não é um país onde o esporte e a atividade física são valorizados e isso afeta ambos os sexos.

Atividade física no Brasil: dados preocupantes

A Organização Mundial da Saúde (OMS) publicou em novembro um estudo na revista científica The Lancet, em parceria com a Imperial College London e Universidade da Austrália Ocidental, que confirma essa preocupante realidade. De acordo com a pesquisa, quatro em cada cinco crianças e adolescentes brasileiros, entre 11 e 17 anos, fazem menos do que uma hora diária de atividade física, que é o recomendado.

A porcentagem de baixa frequência de exercícios físicos constatada no país foi de 84%, maior que a média mundial de 81%. Ainda de acordo com estudo, os dados mostram que, entre 2001 e 2016, a realidade brasileira pouco se alterou: passamos de 85% para os atuais 84% de jovens sem a frequência de exercícios recomendada.
Como dito anteriormente, entre os meninos, as atividades físicas são mais frequentes, porém, mesmo assim, estão 78% abaixo do padrão recomendado. Já entre as meninas, esse número segue a tendência mundial de 89%, que a OMS pretende combater. Os dados alarmantes não param por aí: o estudo alerta que, se a tendência continuar, não será alcançada a meta de redução de 15%.

Precisamos agir para mudar o cenário

Os dados nos mostram a necessidade de entender o cenário e, principalmente, intervir nas diversas causas que podem ser sociais, culturais, entre outras. De acordo com os pesquisadores é importante que todas as formas de atividade física sejam estimuladas desde cedo, como brincadeiras, recreações variadas, esportes, dança, entre outras.
No Brasil, altas taxas de violência e c pouco tempo na escola são alguns dos fatores que ajudam nossos jovens a terem estes números tão altos de sedentarismo, já que as famílias preferem que eles fiquem em casa confinados, do que expostos aos perigos externos.

Cuidados a serem observados sobre a atividade física

1. Atividade mínima – A recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS) é que adolescentes pratiquem no mínimo 60 minutos de atividade física por dia em uma intensidade de moderada a vigorosa. Algumas opções são: caminhar, andar de bicicleta, patins, patinete, nadar etc.

2. O sedentarismo tem efeitos já reconhecidos sobre a deterioração da saúde, como o desencadeamento de processos de sobrepeso e obesidade e consequências relacionadas à hipertensão e diabetes, por exemplo. No lado oposto, a atividade física tem efeitos positivos sobre o metabolismo e o desenvolvimento cognitivo e psicológicos que se estendem da infância e adolescência para a idade adulta.

3.Tempo de telas – Hoje, uma das principais fontes de preocupação por fatores relacionados à adicção e ao sedentarismo de crianças e adolescentes são telas de smartphones, televisão, computadores e videogames, apontam especialistas. Estudos mostraram que o tempo excessivo gasto em frente a esses aparelhos pode ter efeito sobre o desenvolvimento dos jovens. A restrição e controle do horário devem ser negociados e estabelecidos.

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

NOSSAS INICIATIVAS
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade