PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Uma noite longe de casa!
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Uma noite longe de casa!

Uma noite longe de casa!

27/01/2012
  475   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Mesmo com a modernidade, ainda se sente o drama de um filho dormir fora de casa

Os meus três filhos têm a enorme experiência de dormir fora de casa desde os 6 meses de idade! Uau! Quanta independência e autonomia! É claro, contanto que não saiam do perímetro de segurança da casa de uma avó e da outra.

Algum tempo atrás, a Manu começou com uma conversa de ir dormir na casa dos amigos, fazer festa do pijama e tal. Ahã, ignorei, não dei a menor bola mesmo.

Até que recebo a ligação da mãe de um AMIGUINHO da Manu. Menino querido, fofo, dos primeiros que ela conheceu, quando entrou na escola antes dos 2 anos, praticamente nosso vizinho. Ele vem aqui em casa, a Manu vai à casa dele, a gente se encontra na pracinha, na padaria e ele também vai para a mesma escola da minha filha, no ano que vem. Ou seja, excelente companhia e da maior confiança possível.

O que eu não esperava era o conteúdo da ligação: um convite para a Manu ir dormir na casa dele! Assim, sem preparo ou aviso prévio! Detalhe: o convite era para aquele mesmíssimo dia. Menos preparo ainda. Respirei fundo, não tive tempo de pensar em nada. Raciocinar? Menos ainda. Mas, achei que uma hora aquilo iria acontecer e não sei se a gente deve se preparar muito para esse momento. Sabe aquele casal que fica meses ou anos pensando se deve ou não ter um filho? E de tanto pensar acaba adiando um monte a decisão? Então, comecei me ver exatamente nessa situação, com uma dose de drama a mais.

Fui buscar as crianças na escola e antes mesmo de encontrá-los, pedi uma consultoria à professora, que me disse que esse programa de ir dormir na casa dos amiguinhos já faz parte do repertório dessa faixa etária (ó, céus, cadê a minha nenezinha?). Mas, é claro, eu deveria conversar com ela e me certificar se gostaria mesmo de ir dormir na casa do amigo, se demonstraria segurança e tranquilidade para me abandonar assim por uma noite (drama!).

O que não me surpreendeu nada foi a reação da mocinha: chegou em casa, voou para o banho, que não durou nem 2 minutos de tanta ansiedade e fez a própria mochila de abandono dos pais e irmãos por uma longa noite.

Ela foi, gente, feliz da vida, brincou, jantou, dormiu e nem quis me dar “boa noite” pelo telefone.

Nós, os pais abandonados, sobrevivemos, apesar da longa e insone noite.

Resgatei a minha filhinha no dia seguinte de manhã, uma menina feliz e aparentemente até mais amadurecida.

Eles crescem, né? E o colinho da mãe deixa de ser a coisa mais importante do mundo, é isso mesmo?

Mas o que mais chocou a mim, ao maridinho e a toda a nossa família nada moderna foi essa estreia de dormir fora ter acontecido justamente na casa de um AMIGO. Honestamente? Difícil acompanhar a modernidade e o crescimento dos filhos!

Originalmente postado em: http://bit.ly/yszYve

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade