PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Para qual santo rezar na pandemia?
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Para qual santo rezar na pandemia?

Para qual santo rezar na pandemia?

19/05/2021
  219   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Este é o nome de um artigo publicado na revista Ethics, Medicine and Public Health, volume 18 – September 2021, que recebi de uma amiga com os seguintes comentários: “no mínimo curioso … a fé pode ajudar mais que alguns tratamentos que estão por aí.”

O artigo queria saber se na falta de tratamento eficaz, e na época (agosto de 2020) sem uma vacina, se as pessoas da comunidade cristã da França e da Itália recorriam a algum santo para proteção ou cura milagrosa. A pesquisa foi feita pelo Facebook e tweeter com mais de 1150 pessoas adultas.

No final do ano passado fizemos uma websérie que está disponível no nosso canal de Youtube Saúde na infância, sobre ‘Fé e a influência na Saúde” abordando este tema mostrando dois casos do Sabará Hospital Infantil. Existem vários trabalhos científicos envolvendo este tema. Um estudo realizado na Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo (USP), em Ribeirão Preto, mostrou que a religiosidade fortalece pacientes que lutam contra o câncer. Nos Estados Unidos, uma pesquisa desenvolvida pela Universidade de Duke, na Carolina do Norte, comprovou que pacientes que se valem de práticas religiosas apresentam 40% menos chances de sofrerem depressão durante o tratamento, não apenas do câncer, mas das doenças em geral. Ao que tudo indica, a fé representa um reforço para o sistema imunológico.

A relação entre religião e medicina é bem conhecida nas comunidades humanas desde a antiguidade. A medicina medieval era baseada nas doutrinas hipocrática e galênica, mas também era caracterizada por influências espirituais e divinas. Assim, nos países europeus, na Idade Média, a invocação dos santos para a cura de doenças era uma prática comum.

Apesar de as dimensões espirituais e religiosas terem se desviado da medicina após o Renascimento e o Iluminismo tardio, a intercessão aos Santos é hoje novamente uma doutrina difundida tanto na Igreja Católica como na Ortodoxa. Em particular, a religião católica romana é rica em santos que desempenham o papel de intercessores entre a onipotência da divindade e a demanda pela cura divina que emana de um mortal.

O papa Francisco, firme defensor da vacinação contra a covid-19, lançou no dia primeiro de maio uma iniciativa mais espiritual, uma “maratona de oração”, que será seguida por cerca de 30 santuários em todo o mundo. A cada dia do mês de maio, os fiéis são chamados a rezar o terço para invocar o fim da pandemia. O papa Francisco inaugurou a maratona com uma “oração pela humanidade ferida”, na presença de 150 fiéis e também pediu à virgem Maria que “ilumine os espíritos dos homens e das mulheres de ciência para que encontrem boas soluções para vencer este vírus” e que “alcance as consciências que as enormes quantias usadas para desenvolver e aperfeiçoar o armamento se destinem, ao contrário, a promover estudos que permitem prevenir estas catástrofes no futuro”. O sumo pontífice encerrará a iniciativa em 31 de maio nos jardins do Vaticano.

A pesquisa do artigo confirma que os católicos continuam a confiar suas tristezas, ansiedades e esperanças à divindade, especialmente em tempos de estresse global, principalmente se for uma dificuldade apresentada repentinamente que mudou o estilo de vida das pessoas. Além disso, a escolha dos santos a invocar é ditada por muitos fatores, como um bom conhecimento da tradição católica, associação linguística e comportamento pessoal.

O físico Marcelo Gleiser costuma afirmar que ‘’em ciência, deve-se ver para crer, ou seja, somente após prova concreta, confirmada por grupos diversos de cientistas, pode-se afirmar que um fenômeno é real. No cristianismo se fala que devemos “crer para ver”, em alusão a uma passagem bíblica onde Tomé pede para Jesus mostrar as chagas da cruz para acreditar que era realmente Cristo ressuscitado. Fé é uma coisa misteriosa e, quando relacionada com cura ou com doença, torna-se ainda mais interessante de se observar.

Cabe a cada um escolher livremente o seu caminho.

 

Fonte: Ethics, Medicine and Public Health

Volume 18, September 2021, 100674

Which Saint to pray for fighting against a Covid infection? A short survey

Author.Percia; A.Coralli; P.Charliera

 

Saiba mais:

https://institutopensi.org.br/a-fe-e-a-doenca/

https://institutopensi.org.br/ensinar-gratidao-as-criancas-pode-ajudar-com-sua-saude-mental/

https://institutopensi.org.br/blog-saude-infantil/pais-que-criam-bons-filhos-fazem-essas-cinco-coisas/

https://www.youtube.com/watch?v=d-FNr-FlyIM&t=4s

https://www.youtube.com/watch?v=rD2jDhbvqoQ&t=2s

 

 

 

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade