PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Tratamento de TDAH: escolhendo a melhor opção
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Tratamento de TDAH: escolhendo a melhor opção

Tratamento de TDAH: escolhendo a melhor opção

05/11/2013
  2690   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

O transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (TDAH) é um dos temas mais abordados por nós neste blog e, sem dúvida, um dos mais controversos. Na imprensa é comum a discussão entre psicólogos, pediatras, neuropediatras e psiquiatras sobre como, quando e porque medicar os indivíduos por TDAH.

Um dos aspectos pouco abordados é o da pressão dos pais e dos professores para o uso de medicação. Determinar as preferências e os objetivos para o tratamento de TDAH é uma parte importante da tomada de decisão. Um estudo publicado na Pediatrics em outubro deste ano descobriu que os pais cujo objetivo era melhorar o desempenho acadêmico dos filhos, muitas vezes, deram início a um tratamento à base de medicamentos. Os pais cujo objetivo era melhorar o comportamento e as relações interpessoais eram mais propensos a escolher a terapia comportamental.

Após seis meses de tratamento, os pais das crianças que escolheram medicamento ou terapia baseada em comportamento tinham alcançado tanto os objetivos acadêmicos como os comportamentais, sugerindo que o tratamento escolhido foi eficaz em ajudar os pais a alcançar o que almejavam.

Com base nestes resultados, os autores do estudo concluem que, quando procuram opções de tratamento de TDAH, é importante que as famílias estejam envolvidas no processo de tomada de decisão e compartilhem o que acham com o pediatra. Isso envolve a participação ativa de todos, até mesmo de outros profissionais, antes de iniciar o tratamento, para discutir os riscos e os benefícios de terapias específicas e a probabilidade de alcançar os resultados desejados.

O preocupante no artigo é que ele pouco menciona a criança e a necessidade dela, mas acredito que isso tenha sido avaliado pelos médicos juntamente com os pais, já que se tratava de um público entre 6 e 12 anos.

Para mim, enquanto pediatra, o importante é que a discussão deva envolver várias pessoas (pais, familiares, médicos, psicólogos, professores etc.) e que a opção escolhida favoreça realmente a criança e não necessariamente o professor, o cuidador ou a família.

Leia também: TDAH: medicar ou não medicar?

Fonte: Parental Preferences and Goals Regarding ADHD Treatment | Pediatrics

Atualizado em 21 de maio de 2024

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

(CRM-SP 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, com especialização na Universidade de São Paulo (USP) e pós-graduação em Gestão na Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás, David e Benjamim.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade

    Cadastre-se na nossa newsletter

    Cadastre-se abaixo para receber nossas comunicações. Você pode se descadastrar a qualquer momento.

    Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade de Instituto PENSI.