PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Cadê?! Chorou… Achou!
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Cadê?! Chorou… Achou!

Cadê?! Chorou… Achou!

24/11/2015
  702   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

bebe-chorando

Na calada da noite eis que de repente, se escuta um choro bem forte:  “ Mamãe aonde estou…. Cadê você! Para onde você foi!!! Meu mamá sumiu! Quero mamá… estou com sono… quero mamá, me dá colo… quero dormir”.  Se palavras pudessem ser ditas no lugar deste choro, seriam estas as pronunciadas aos gritos, pelo bebê que dormiu aconchegado no colo da mamãe, mamando e, acordou sozinho, no berço e sem leite!

Mas a pergunta que não se cala é quase sempre a mesma:  Afinal de contas, os bebês não dormem assim, quase sempre, no colo e mamando?

A resposta é afirmativa, mas com uma ressalva importante.

É muito frequente os pais relatarem a seguinte situação:  até por volta dos seis meses o nosso filho mamava e dormia por horas seguidas, mamava novamente e retomava o sono. Mas depois desta fase, ele passou a acordar várias vezes à noite e agora, só consegue adormecer mamando e/ou no colo.

O que ocorre a partir do 6 mês que pode explicar esta situação?

Este salto no desenvolvimento (que para os pais insones é mais sentido como uma queda livre) é o conhecido conceito de PERMANÊNCIA DO OBJETO!  Mas o que isso tem a ver com os problemas de sono de muitos bebês nesta faixa etária? TUDO!

Vamos à explicação:  sabe aquela fase de brincar de “achou”, quando escondemos o rosto e ao aparecermos ganhamos um lindo sorriso? Ou quando o bebê joga a colher do cadeirão e não sossega até a pegarmos de volta e a brincadeira se repete por várias vezes?  É nesta fase que o bebê percebe que quando algo sai do seu campo de visão, este está em algum outro lugar; ou seja, continua a existir mesmo sem estar ao seu alcance. Antes disso, o que não estava à sua frente deixaria de existir.  Simplesmente desaparecia, como num passe de mágica!

Isso vale para a hora de dormir. Se mamãe, colo e o mamá (peito ou mamadeira) estavam consigo na hora em que ele adormeceu e, ao despertar, não os encontrou, chora assustado chamando por aquilo que sumiu, qualquer que seja o horário ao longo da noite! Por isso que é unânime, entre os autores que escrevem sobre o sono infantil, a recomendação de que na hora de dormir, o bebê, a partir desta fase (melhor ainda se conseguir antes disso) seja colocado acordado no berço. Com esta atitude fica implícita a seguinte mensagem para o bebê:  Filho, o que te prometo cumpro a noite toda!  Deixo contigo o berço, a naninha e a chupeta. Você pode ficar tranquilo que encontrará todos eles ao longo da noite e, quando precisar de mim, estarei por perto!

A natureza é tão sábia e redondinha. Até os seis meses o bebê, de um modo geral, necessita ser amamentado durante a noite por uma questão fisiológica. Depois disso, inicia-se a fase da alimentação sólida e, normalmente os pediatras orientam as mães a dispensarem a mamada da madrugada, não sendo mais necessária, salvo algumas exceções. Logo, na fase em que o bebê precisava mamar durante a noite, ele não tinha ainda, maturidade para fazer associações e relações entre a mamãe, leite e o ato de dormir. Quando passou a ter esta noção, já apresentava condições de dormir direto e a noite toda.

O chorar nesta fase, ganha novos contornos:  solicitar pela permanência do que se foi, gritar por aquilo que está escondido e suportar a espera do reencontro!

Enfim, aquela tática de colocar o bebê adormecido no berço e sair, pé ante pé, do quarto, é válida por pouco tempo na vida dos bebês …  Até quando percebem que foram “enganados”!

assinatura deborah-moss

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

mensagem enviada

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade