PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Como ajudar crianças em tempo de catástrofes e crises
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Como ajudar crianças em tempo de catástrofes e crises

Como ajudar crianças em tempo de catástrofes e crises

28/10/2015
  830   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

helping-kids-in-crises

Em setembro, o mundo pareceu abalado após a divulgação de uma foto de uma pequena criança curda que parecia dormir na areia de uma praia do Mediterrâneo. Na verdade, a criança estava morta e sua imagem traumatizou meio mundo e fez adultos chorarem. Muitas crianças entraram em contato com esta foto ou outras notícias deste tipo. Mas, como será que elas são afetadas?

Vem a calhar o artigo publicado na revista Pediatrics, de outubro, no qual se apresenta o estresse vivido por crianças quando estão no meio de desastres ou crises como a descrita acima. Desastres pagam um pedágio exclusivo sobre as crianças, com potencial para causar danos de curto e longo prazo para a sua saúde e desenvolvimento.

Em um novo relatório clínico, a Academia Americana de Pediatria (AAP) exorta os pediatras para procurar problemas de ajustamento comuns em crianças na sequência de uma catástrofe ou de crise e promover eficazes estratégias de enfrentamento para aliviar o impacto do evento.

O relatório, “Apoio Psicossocial a Crianças e Famílias no rescaldo de catástrofes e crises”, sublinha a importância de assegurar serviços básicos de apoio, primeiros socorros psicológicos e outros profissionais ao trabalhar com pacientes e familiares, na esteira do desastre.

Desastres afetam as vidas de milhões de crianças a cada ano e as estas são especialmente vulneráveis ​​aos efeitos posteriores desses eventos. Como pediatras, estamos em uma posição excelente para detectar e lidar com uma amplitude de problemas após um desastre, assim como para aconselhar as famílias e as comunidades sobre como estar preparado para uma situação de crise.

Dificuldades de adaptação relacionadas a desastres são uma questão importante de saúde pública pediátrica, de acordo com a AAP. Quase 14% das crianças americanas entre as idades de 2 e 17 foram expostas a um desastre ocorrido no ano passado. Estes incluem desastres naturais, como terremotos, furacões, tornados, incêndios, inundações, pandemias ou outros surtos de doenças e desastres feito pelo homem, tais como acidentes industriais, guerra ou terrorismo.

Em uma comunidade que sofreu um desastre, a pesquisa mostra que uma grande proporção de crianças terá problemas de adaptação. Crianças que sofrem de estresse pós-traumático significativo e até mesmo estresse pós-traumático (PTSD) vários meses após o evento podem passar despercebido a menos que os pediatras perguntem sobre os sintomas.

Os sintomas mais comuns de reações de ajustamento em crianças após um desastre incluem:

  1. Problemas do sono: dificuldade com o sono, tendo pesadelos ou despertares noturnos frequentes, dificuldade para acordar de manhã.
  2. Problemas alimentares: perda de apetite ou comer demais.
  3. Tristeza ou depressão: possivelmente incluindo uma relutância em se envolver em atividades previamente apreciadas ou retirada de colegas e adultos.
  4. Ansiedade, preocupações ou temores: as crianças podem estar preocupadas com uma repetição do evento traumático.
  5. Dificuldades de concentração: uma interrupção na capacidade de aprender e reter novas informações ou de outra forma progredir academicamente.
  6. Somatização: crianças com dificuldades de ajustamento podem apresentar sintomas que sugerem uma condição física.
  7. Regressão do desenvolvimento ou social: as crianças podem se tornar menos tolerantes ou pacientes a mudança, regredir para incontinência urinária, ou tornar-se irritado e perturbado.
  8. Abuso de substâncias: início ou agravamento de abuso do álcool, tabaco ou outras substâncias pode ser visto em crianças, adolescentes e adultos após um desastre.

O pediatra também deve estar ciente de que os desastres muitas vezes iniciam uma cascata de perdas e estressores secundários para crianças, tais como perda de casa ou pertences pessoais, problemas de saúde mental dos pais, violência doméstica e abuso infantil. Estes problemas requerem uma abordagem holística para ajudar as crianças a lidar e para promover a resiliência entre as crianças e as famílias após um desastre, de acordo com a AAP.

O relatório clínico é o último de uma série de recursos desenvolvidos pela AAP para preparar pediatras na abordagem das necessidades das crianças em tempos de crise.

Autor: Dr. José Luiz Setúbal.

Fonte: From the American Academy of Pediatrics: Clinical Report

“Providing Psychosocial Support to Children and Families in the Aftermath of Disasters and Crises”

As informações contidas neste site não devem ser usadas como um substituto para o cuidado médico e orientação de seu pediatra. Pode haver variações no tratamento que o pediatra pode recomendar com base em fatos e circunstâncias individuais

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade