PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Crianças criadas longe dos pais
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Crianças criadas longe dos pais

Crianças criadas longe dos pais

03/08/2017
  854   
  1
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

No Brasil, com toda sua diversidade e desigualdade, muitas crianças são separadas dos pais para serem criadas pelo Estado. Isso é frequente nos países desenvolvidos, como podemos ver na nova declaração de política da Academia Americana de Pediatria (AAP) publicada em abril de 2017 pela revista Pediatrics.  


O crescente número de crianças que vivem com parentes diferentes dos pais, exige que os pediatras saibam responder às necessidades únicas desses pacientes e suas famílias. A declaração de política, “Necessidades de Famílias de Cuidados de Parentesco e Prática Pediátrica” cita evidências crescentes de que, as crianças que não podem viver com seus pais biológicos, melhoram quando vivem com família alargada e não com pais adotivos.

Apesar de melhores resultados globais, no entanto, as famílias que prestam cuidados de parentalidade enfrentam dificuldades significativas. Como a maioria das crianças que vivem com parentes estão em arranjos informais feitos entre os pais biológicos e o provedor de parentesco (avós e tios), por exemplo – que podem não ter autoridade para dar consentimento legal para cuidados primários necessários, imunizações e outros serviços de saúde não emergenciais, nos EUA, como não existe a figura do SUS, as famílias podem ter que ser responsáveis por tratamentos médicos.

Além disso, embora a pesquisa sugira que as crianças em cuidados de parentesco possam ter um menor risco de problemas de saúde comportamental, seu risco ainda é maior do que para as crianças que vivem com pais biológicos.

Com esta declaração, a AAP quer aumentar a conscientização de que alguns apoios extras são necessários para ajudar a garantir o bem-estar da criança e seus familiares cuidadores.

De acordo com a AAP, os pediatras podem facilmente identificar arranjos de tutela durante as consultas de rotina (de informações de contato e consentimento) para que eles possam coordenar melhor os cuidados e conectar as famílias com recursos comunitários disponíveis para as famílias que prestam cuidados de parentesco, incluindo serviços jurídicos comunitários e programas de navegação.

Na declaração de política, a AAP recomenda pediatras adotarem orientações da AAP para a promoção da saúde: Saúde para Crianças e Adolescentes do “Manual de Adoção”, tais como visitas de acompanhamento mais frequente e mais avaliações em profundidade do estado de desenvolvimento da criança, porque a criança em cuidados de parentesco tem muitas das mesmas necessidades de saúde física e mental que outras crianças de acolhimento.

Pediatras também podem fornecer uma maior orientação para os cuidadores familiares em torno de seus próprios desafios para a educação das crianças, como o planejamento prospectivo para a tutela no caso de sua saúde declinar e educação para cuidadores mais velhos sobre os padrões de segurança atuais para sono, viagens de veículos e prevenção de lesões.

Como se vê, grande parte das medidas podem ser tomadas aqui no Brasil desde que o sistema de Saúde da Família e a Assistência Social funcione adequadamente.

 

Autor: Dr. José Luiz Setúbal

Fonte: Pediatrics – March 2017

From the American Academy of Pediatrics Policy Statement

Needs of Kinship Care Families and Pediatric Practice

David Rubin, Sarah H. Springer, Sarah Zlotnik, Christina D. Kang-Yi, COUNCIL ON FOSTER CARE, ADOPTION, AND KINSHIP CARE

As informações contidas neste site não devem ser usadas como um substituto para o cuidado médico e orientação de seu pediatra. Pode haver variações no tratamento que o pediatra pode recomendar com base em fatos e circunstâncias individuais.

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

mensagem enviada

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade