PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Crianças pequenas e a exposição a tecnologia
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Crianças pequenas e a exposição a tecnologia

Crianças pequenas e a exposição a tecnologia

12/01/2016
  1031   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

 

É difícil andar num parque, ir a um restaurante ou andar por shoppings sem ver crianças pequenas com dispositivos móveis como tablets, smatphones ou videogames. Este é um dos assuntos que mais tem mobilizado os educadores, psicólogos, neurocientistas e pediatras no mundo inteiro.

Embora estudos recentes, como um realizado em 2013, tenham revelado um “fosso digital” com base no nível social nos EUA, em se tratando da propriedade de dispositivos de mídia móvel por crianças. Uma nova pesquisa indica que esta diferença diminui rapidamente. As crianças americanas pequenas, de baixa renda e de origem urbana, tiveram exposição quase universal para dispositivos móveis, com a maioria deles tendo seu próprio dispositivo a partir dos 4 anos de idade, de acordo com um estudo a ser publicado em dezembro na revista Pediatrics.

Pesquisadores entrevistaram pais de crianças em um centro médico acadêmico em uma comunidade de minorias de baixa renda, na Filadélfia para no final de 2014. Quase todas as famílias dos 350 pacientes tinham televisores (97%), e a maioria tinha tablet (83%) e smartphones (77%). Mais da metade tinha consoles de vídeo (56%), computadores (58%) e acesso à Internet (59%).

No geral, 97% das crianças tinham usado um dispositivo móvel. Em famílias de crianças menores de 2 anos de idade, a propriedade dos dispositivos móveis infantil supera a da televisão. Aos 4 anos, metade das crianças tinham a sua própria televisão, enquanto quase três quartos tinham seu próprio dispositivo móvel. O estudo cita custos decrescentes, estratégias de marketing e subsídios de operadoras de telefonia celular como possíveis fatores que contribui para esta situação.

Outros dados: Quase a metade (44%) das crianças menores de 1 ano de idade haviam utilizado um dispositivo móvel diariamente para jogar, ver vídeos, ou usar aplicativos. O percentual aumentou para 77% em crianças maiores de 2 anos. Quase um quarto (28%) das crianças de 2 anos não precisa de qualquer ajuda para navegar em um dispositivo de mídia móvel, e 61% precisava de ajuda às vezes. Quase a metade (43%) das crianças de 4 anos nunca precisa da ajuda e metade deles gostava de usar múltiplas plataformas de mídia ao mesmo tempo.

Os pais relataram deixar as crianças brincarem com dispositivos móveis para fazer tarefas (70%), para manter a criança calma em lugares públicos (65%) ou recados (58%), e 28% usaram um dispositivo móvel para colocar seus filhos para dormir.

Creio que no Brasil os números são menores e, provavelmente, ainda tenhamos o “abismo social” verificado na pesquisa americana em 2013. Mas não deve ser muito diferente, principalmente nas classes mais altas.

Como se vê, a alta proporção de crianças com o seu próprio dispositivo móvel é particularmente preocupante, porque pouco se sabe sobre como a atividade independente das crianças em dispositivos móveis afeta seu desenvolvimento cognitivo, social, emocional e desenvolvimento.

Autor: Dr. José Luiz Setúbal.

Fonte:  Pediatrics October 2015

Exposure and Use of Mobile Media Devices by Young Children.

As informações contidas neste site não devem ser usadas como um substituto para o cuidado médico e orientação de seu pediatra. Pode haver variações no tratamento que o pediatra pode recomendar com base em fatos e circunstâncias individuais.

 

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade