PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Crianças pequenas e nosso futuro
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Crianças pequenas e nosso futuro

Crianças pequenas e nosso futuro

17/06/2015
  915   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Velhos, doentes, incapacitados e crianças dependem do trabalho e dos impostos dos adultos, ou seja, das pessoas que hoje têm, digamos, de 18-21 a 60-65 anos de idade. Por igual, as crianças, que hoje – 2015 – têm de 0 a 6 anos serão os adultos que daqui a 15 ou 20 começarão a fazer o mesmo para as pessoas que atualmente têm 40 anos ou mais. E assim sempre. Os mais novos são o futuro dos mais velhos, tal como esses são sua garantia, agora. Valorizar, portanto, o que se faz, o que acontece com as crianças pequenas é fundamental para nosso futuro, para o futuro do mundo.

O que estamos fazendo em favor disso? Não se trata apenas de se fazer um raciocínio econômico, uma conta de entrada e saída, mas sim de assumirmos a responsabilidade que nos cabe em planejar e prover as melhores condições para que esses adultos de amanhã, as crianças de hoje, possam fazer bem aquilo que lhes caberá fazer, dado que estarão em nosso lugar.

Prover as melhores condições para as crianças de hoje tendo em vista as expectativas que temos sobre elas amanhã é responsabilidade nossa, exclusivamente nossa. Não se pode esperar delas essa função. Crianças pequenas vivem o seu presente, precisam que suas necessidades básicas, dentre elas a saúde e a educação, sejam atendidas por nós. Precisam poder brincar com objetos, com outras crianças e com adultos. Precisam se sentir seguras e terem confiança em seus cuidadores. Atenção: estou dizendo crianças e não de nosso filho ou neto.

Amanhã, quem sabe, eles – nossos filhos e netos – não estarão aqui, nessa cidade ou perto de nós, mas estarão vivendo em outro país, em outro lugar. Essa é uma característica do mundo atual. As crianças que uma família, escola ou cidade educa poderão, quando adultas, morar longe e estarem a serviço de outros projetos ou coisas. São, então, outras crianças, filhas de outros pais ou cidades que estarão – adultas – trabalhando aqui, criando seus filhos e cuidando de nós, velhos, aposentados ou doentes. Essa perspectiva agrada-me, ao invés de me deixar triste. Ela traz um desafio e uma oportunidade.

Desafio para cuidarmos de nossos filhos e netos como se eles fossem também filhos e netos do mundo, filhos e netos de qualquer um, e que, se bem cuidados estariam sendo melhor preparados para suas funções de adultos, não importa onde ou para quem. Oportunidade de praticarmos uma visão de que uma criança, não importa quem seja, é um ser humano que precisa ser considerada em suas dimensões biológicas, psicológicas e sociais. Quando se perde uma criança, é o futuro que se perde. Um futuro que, estejamos aqui ou não, devemos preparar, planejar e antecipar. O melhor meio de se fazer isso, por certo, é garantir um bom presente para as crianças, um presente em que saúde, educação, brincadeiras, cuidados erespeito enchem-nas de amor, alegria e esperança.

Lino-de-Macedo_Assinatura

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade