PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Do conhecimento ao afeto
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Do conhecimento ao afeto

Do conhecimento ao afeto

07/04/2015
  493   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

filhos

No início deste ano pude assistir a uma aula de Música dada por uma professora que encantava a todos com seu teclado. O mais marcante foi o pedido insistente de um garotinho de oito anos para se apresentar ao grupo − uma daquelas mentes brilhantes que podemos observar em classe.

A professora permitiu e logo, o talento demonstrado, fez com que todas as crianças ficassem atentas. Ele tocou um trecho do hino da França, porém, a surpresa foi quando perguntado pelo grupo que música é esta, respondeu:

− “É o Hino da Revolução Francesa!”

Acredito que a vivência de muitas crianças com o universo cultural é de fundamental importância para todas as instâncias de suas vidas, pois, ao sensibilizar e oferecer conhecimento a seu filho, você contribui de forma significativa para que ele tenha experiências inesquecíveis!

O exemplo que citei do talento do aluno, e da situação vivida em classe, demonstra a atuação familiar para que a atividade desta criança fosse possível. E é justamente esta questão, a postura dos pais, o comprometimento, a vontade de despertar interesse, os comportamentos adotados, que me levam a constantes reflexões sobre Educação.

Em nosso momento atual, com a internet, os jogos virtuais, é comum assistirmos aos pequenos com seus eletrônicos, cada vez mais solitários. Não que eu seja contra tais recursos, de forma alguma! O que é importante ressaltar é o quanto o contato um a um, ou seja, mãe e filho, pai e filho, ou qualquer outra variável das famílias de hoje, pode trazer conhecimento e valores. Certamente a família do talentoso aluno que tocou teclado, conversou com ele sobre o marco que a Revolução Francesa trouxe à sociedade, pois o garoto soube explicar à classe; o incentivou a tocar; explorou suas capacidades; observou suas vontades e tantas outras habilidades foram estimuladas para que ele chegasse aonde chegou. Outro ponto interessante foi a diversidade musical proporcionada por um gênero que não necessariamente é tão próximo das crianças. É por isso que a convivência e a interação com os filhos sempre trazem uma parcela expressiva de conhecimentos e, sobretudo afeto.

Em orientações às famílias, observo que é nítida a dificuldade que os pais têm em lidar com os filhos. Costumo dizer que com as novas formas de conviver, o tema Educação fica muitas vezes distante e estranho para muitos. No entanto, segundo muitos especialistas, instrumentar-se das questões que se referem ao trato ou manejo das crianças, é um fator considerável. Procure favorecer relações de intercâmbio como estas que exemplifiquei entre você e seu filho, participe de forma prazerosa de seus assuntos e procure lhe trazer questionamentos, pesquisas em livros, ou internet para subsidiá-lo. Muitas vezes, parece difícil estimular a criança em casa, mas ela pode ser motivada através de qualquer outro conteúdo ou objeto de seu mundo.

A relação entre pais e criança, segundo o psicólogo Arnold Gesell é verdadeiramente de fundamental importância na modelação da personalidade. Organizar a rotina do adulto e da criança de modo a lhe garantir a saúde mental, é um exercício de duplo sentido, de modo que ajustem o triângulo pais, escola e criança, como diz o autor.

É efetivamente ajustar de maneira que a criança não seja mero espectador e sim participante ativo na troca de informações e construções de conhecimentos com seus pais.

É assim que acredito que se desperta interesse no aluno pelo estudo e pelo conhecimento, moldando a criança, sensibilizando-a para a investigação, para a descoberta!

Fundamentalmente juntos!

 

assinatura_Liliam

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

mensagem enviada

  • Paula Pedroso disse:

    Lilian, concordo com você. O afeto é assim: respiração, transpiração e inspiração pra toda e qualquer construção. Parabéns por sua sensibilidade.

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade