PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Escolhendo a escola da criança
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Escolhendo a escola da criança

Escolhendo a escola da criança

30/10/2015
  412   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

 

escola

Em geral, fazer escolhas tende a ser uma difícil tarefa em nossas vidas, são muitos estímulos visuais, informações que nos seduzem, tecnologias e um mundo competitivo, no qual a Educação também concorre e participa.  Por este motivo, quando se trata da definição da escola dos filhos, imagino ser mais complicado.  É importante que as famílias tenham em mente que, as suas características como primeira instituição devem estar associadas às particularidades da criança bem como da escola, tendo isso como prumo para a decisão.

Primeiramente é válido ressaltar os diversos tipos de escola. Seja qual for seu ponto na resolução da matrícula, por resultados nos exames do ENEM, por índices de aprovações que a escola mantém nos melhores vestibulares, pela tradição, por suas relações com a escola, por despertar a curiosidade e o gosto pelo aprender, por razões econômicas, pela formação dos professores, pelo projeto pedagógico, intercâmbios, linha religiosa, ou, pelo espaço físico apropriado. Enfim, uma infinidade de aspectos, a decisão requer cautela e outras considerações que vão além das de ordem pedagógica.

Vamos considerar as necessidades específicas de cada criança, pois, muitas vezes, dois irmãos, por exemplo, podem ser recomendados para escolas diferentes, devido seus tipos de temperamentos, portanto, analisar cada criança faz toda a diferença. Lembre-se de questionar se a escola vai de encontro com os traços de personalidade de seu filho, seu perfil psicológico e se a carga horária virá a facilitar seus processos de desenvolvimento, ou não. Por fim, se lhe inspirou confiança.

Se pensarmos na visão de Piaget de forma bem simples, o conhecimento significa adaptar-se ao meio em que vive, mas, como vive nesse ambiente e como consegue adaptar-se? Esta é a questão: constituir as experiências, viver os conflitos, o aprender e o cotidiano de forma integrada.  Nesse sentido, se os dois ambientes; casa-escola; falam a mesma língua, as possibilidades das estruturas emocional, social e cognitiva da criança se autorregularem serão maiores, e, certamente, ela terá melhores condições de aprendizagem.

De modo geral, as elaborações emocionais e comportamentais, que a criança ou o jovem traz à sua casa após a vivência na escola, podem incidir no seu comportamento, demonstrando-se adaptativo, equilibrado, tenso, estressado, com pouca inclinação ao trabalho, ou, de fácil relacionamento. Observe se o ambiente da escola o acolhe e se há por parte de seu filho a sensação de pertencimento a este lugar, (a escola) que é dele, embora escolhido primordialmente pelos responsáveis. Será nesse espaço que poderá compartilhar com o outro o aprender, seja com seus iguais ou diferentes, e validar a confiança da aprendizagem segura.

assinatura_Liliam

 

 

 

 

 

 

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade