PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
O rosto e suas portas de entrada e saída
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
O rosto e suas portas de entrada e saída

O rosto e suas portas de entrada e saída

20/05/2015
  928   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

lino

Observar e “curtir” o rosto de uma criança pequena são algo que pais e todos nós gostamos de fazer. Consideremos esse rosto prestando atenção aos seus dois ouvidos, dois olhos, duas narinas e boca. Exceto a boca que fica no centro, os outros – ouvidos, olhos e narinas – ficam um à direita e outro, à esquerda.

De um ponto de vista sensorial, eles são portas de entrada dos estímulos e das coisas do mundo na vida da criança. Os olhos e os ouvidos são órgãos à distancia, ou seja, que lhe permitem interagir também com o que está longe. As narinas que inspiram o ar e os cheiros das coisas bem como a boca que lambe, come, suga e degusta são órgãos que requerem proximidade. Se esses quatro órgãos dos sentidos estão no rosto, o quinto, referente ao tato, se expande pelo corpo todo, incluindo aí o próprio rosto. Pensem no gosto de uma criança quando lhe tocamos a cabeça ou roçamos delicadamente sua face com nossas mãos, cheias de leveza e carinho. Pensem em seu desgosto quando o fazemos de forma rude, apressada e sem cuidado. Daí que essas portas de entrada, fontes do que vêm de fora para dentro e anunciam coisas boas, favoráveis ao desenvolvimento, podem igualmente anunciar perigos, ameaças, ou dor. O uso do termo “porta de entrada” é uma metáfora para dois aspectos importantes na recepção dos estímulos pela criança pequena. Podemos entender a “porta” na perspectiva do que entra ou passa por ela, e, igualmente, na perspectiva do que ela deixa ou não deixa passar. Os órgãos de entrada são como filtros ou formas de sensibilidade. O mesmo estímulo não significa a mesma coisa para duas crianças. Para uma, ele pode significar alegria, para outra, ameaça ou dor. Daí a importância de observamos não só o que fazemos com a criança, mas como ela recebe isso que fazemos, porque é o que ela indica estar recebendo que fará toda a diferença para o desenvolvimento de seu cérebro e vida.

Mas, olhos, ouvidos, narinas e boca são também órgãos de “saída”. É por intermédio deles que a criança se expressa, principalmente quando pequena. E sua expressão pode indicar uma criança curiosa, alegre, atenta, ativa, ou, então uma criança submissa, passiva, ausente, desinteressada. Tratam-se de expressões que vêm de dentro para fora, que exteriorizam o que ela quer ou pode fazer. Por vezes, sobretudo com crianças pequenas, valorizamos muito o que os adultos e o mundo externo com seus estímulos fazem para elas, esquecidos de que o “retorno” que elas nos dão ou suas necessidades tal como podem nos comunicar são igualmente importantes. Não esperemos que nossos filhos e netos fiquem doentes para prestarmos atenção a eles, aos seus sentimentos e corpo. Hoje é o melhor dia!

 

Lino-de-Macedo_Assinatura

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade