PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Por trás da porta
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Por trás da porta

Por trás da porta

18/12/2017
  882   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Quando brincamos de ser personagem temos toda a liberdade do mundo para criarmos uma outra lógica de pensamento, um olhar diferente para o ambiente que nos cerca e uma forma de inventar o mundo que quisermos. A cada dia, em cada quarto uma relação única é estabelecida com a dupla, com os acompanhantes e principalmente, com a criança.

Todo dia que vou ao hospital tento me ver um pouco enquanto criança que fui e sempre estará aqui. Me lembro enquanto criança, eu pensava que nunca poderia esquecer do que estou sendo e que eu adoro brincar. Essas palavras estão sempre ao meu lado, é preciso permitir-se entrar na lógica da imaginação, do absurdo e do “ridículo” que mora em cada um.

Não digo com isso se infantilizar, há por trás do personagem alguém, um ator ou uma atriz, adulto e que tem consciência do que está fazendo. Não somos crianças, não queremos ser, mas é preciso exercermos sempre o exercício da alteridade, ou seja, nos colocarmos para ver e ouvir um outro alguém que está ali, da forma que puder estar.

Mas toda essa filosofia por trás do ator se transforma por trás da porta do quarto.

Ao chegar no quarto de L. junto com a princesa que não quer mais ser princesa Cinderela, me apresentei como xerife Woody, personagem do qual eu uso como inspiração para abrir o campo imaginário. Às vezes me confundem com cowboy, mas não, é xerife. Enfim, ao que importa, contei para L. sobre o que faço enquanto xerife: – É assim, aparece alguém na minha frente eu mando prender. L. fica um pouco indignada e diz que eu estou sendo injusto: -Você precisa aprender o que é justiça, não pode fazer assim. Eu digo que eu faço assim porque não sei fazer de outro jeito, pois tenho medo e se ela pode ensinar

L: – É fácil, quando chegar alguém você diz somente Quê? Ai você vê, às vezes a pessoa só quer uma informação.

Inventamos um novo cumprimento, o Quê?

Com J. foi diferente, tudo o que dizíamos ele fazia Não com a cabeça, o pai nos deu a dica, ele gosta de jogar futebol. Narramos um jogo de futebol, nós com a bola na mão, passando de um pé para outro de J. Também é possível ler pensamentos de bebês, chama-se telepatia, a Cinderela é graduada nisso, a ação consiste em escutarmos por telepatia o que o pequeno bebê está dizendo com os olhos.

Por trás de um pensamento sobre o que é justiça, a narração de futebol e a telepatia, tem gente querendo brincar. Para a relação não há receita, é muito treino, escuta e abertura para poder brincar. Na vida adulta as questões são outras, o pensamento é diferente, mas não dá pra esquecer que aprendemos andar, falar, ler, escrever, entender e dar nome aos nossos sentimentos brincando. Raiva, amor, indignação, carinho, alegria…

Dizem que toda brincadeira tem um fundo de verdade, eu digo que toda brincadeira é a mais profunda verdade, depende do que se entende enquanto verdade, claro.

Comunicação PENSI

Comunicação PENSI

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade