PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Quanto uma experiência adversa afeta a criança
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Quanto uma experiência adversa afeta a criança

Quanto uma experiência adversa afeta a criança

30/10/2017
  581   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Um estudo muito interessante mostrado na revista Pediatrics, edição de novembro de 2017, mostra que crianças de famílias latinas imigrantes nos Estados Unidos tiveram maior exposição a “Experiências Adversas de Infância” (EAIs) quando foi medida a dificuldade econômica da família, mas menor exposição em relação às EAIs potencialmente prejudiciais para a saúde.

Os autores do estudo “Experiências adversas da infância entre crianças latinas em famílias imigrantes versus famílias nativas dos EUA” encontraram dados como:

  • As taxas de divórcio dos pais imigrantes latinos
  • Ter pelo menos um dos pais ou responsável na prisão
  • Exposição a abuso de substâncias
  • Problemas de saúde mental
  • Violência conjugal na casa

As crianças latinas em famílias imigrantes compõem mais da metade de todas as crianças imigrantes nos Estados Unidos.

Os pesquisadores examinaram dados da Pesquisa Nacional de Saúde Infantil do Centro de Controle e Prevenção de Doenças, 2011-2012, com uma amostra de 12.162 crianças latinas. Mais crianças em famílias de imigrantes viviam no nível de pobreza federal ou abaixo, em comparação com crianças em famílias nativas dos EUA (80%, em comparação com 47%). 30% das crianças em famílias nativas dos EUA relataram dois ou mais EAIs ou eventos de vida estressantes que podem aumentar a chance de comportamento de alto risco e doenças crônicas em adultos, em comparação com apenas 16% das crianças em famílias imigrantes.

Autores do estudo disseram que pode haver fatores culturais não medidos entre as famílias de imigrantes que amortecem crianças hispânicas da exposição à EAI. Outra razão possível por trás dos resultados que eles citam é que as experiências de infância estressantes específicas para crianças imigrantes, como a separação dos pais da deportação, não estão incluídas nas medidas tradicionais da exposição à EAI.

Como já mencionamos dezenas de vezes neste Blog, a importância de uma primeira infância (de zero a seis anos) sadia, livre de situações de estresse tóxico irão influenciar o restante da vida do indivíduo.

Saiba mais:

https://institutopensi.org.br/blog-saude-infantil/cuidando-do-contexto-de-desenvolvimento-da-primeira-infancia/

https://institutopensi.org.br/?s=primeira+infancia

http://veja.abril.com.br/economia/investir-na-crianca-e-mais-eficaz-que-distribuir-renda-diz-nobel/

Autor: Dr. José Luiz Setúbal

Fonte: Pediatrics October 2017

Adverse Childhood Experiences Among Hispanic Children in Immigrant Families Versus US-Native Families

Tania Maria Caballero, Sara B. Johnson, Cara R. Muñoz Buchanan, Lisa Ross DeCamp

As informações contidas neste site não devem ser usadas como um substituto para o cuidado médico e orientação de seu pediatra. Pode haver variações no tratamento que o pediatra pode recomendar com base em fatos e circunstâncias individuais.

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade