PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Questões do ciclo da vida
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Questões do ciclo da vida

Questões do ciclo da vida

04/08/2016
  1230   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Erik Erikson (1902 – 1994) era um psicanalista, nascido na Alemanha, e grande professor da Universidade de Harvard. Muito influenciou a Psicologia do Desenvolvimento norte-americana na perspectiva psicossocial. Dentre  suas famosas contribuições, tem-se a proposição de estádios de desenvolvimento ao longo do ciclo da vida, caracterizados, cada um, por uma questão crítica, cujo modo de enfrentamento e contexto para sua realização fazem toda a diferença. Penso ser sempre útil revisarmos essas questões e refletir sobre o como estamos enfrentando a que nos caracteriza bem como observar como os que nos são próximos e queridos estão lidando com as suas.

1- “Será o meu mundo social previsível e protetor?” é a questão que caracteriza a primeira idade, ou seja, a dos bebês até os 18 meses. É uma questão que deposita toda a esperança nos adultos – pais, gestores, educadores ou responsáveis – que cuidam, protegem e asseguram a cada criança, a todas as crianças, não importa sua condição de saúde e classe social,  um sentimento básico de confiança na vida.

2- “Será que consigo fazer as coisas sozinho ou tenho de depender quase sempre dos outros?” é a questão que caracteriza a segunda idade, das crianças que têm de 18 meses a 3 anos. Sentir-se independente, poder andar, falar, cuidar de si nas coisas básicas, ter relações significativas com seus pais, poderem expressar sua força de vontade, são tudo o que elas querem.

3- “Serei bom ou mau?” é a questão que caracteriza a terceira idade, das crianças de 3 a 6 anos. O quanto e o como seus pais e todos os adultos que lhes são caros colaboram para que a resposta a essa questão seja positiva, fará toda a diferença. Sentir orgulho de suas capacidades é, talvez, a melhor forma de essas crianças resolverem a crise proposta pela questão que caracterizam seu estádio de desenvolvimento.

4- “Serei competente ou incompetente?” é a questão característica da quarta idade, das crianças de 6 a 12 anos. Aprender a ler, escrever e calcular, conviver com iguais, respeitar e aceitar regras, fazer coisas com habilidade e competência, junto ou sozinho, são desafios dos escolares, trilhando – diligentemente – um caminho entre ser criança e se preparar para ser jovem.  

5- “Quem sou eu? O que vou fazer de minha vida?” é a questão característica da quinta idade (12 – 20 anos), dos adolescentes e, com ela, a de se adaptar à tantas mudanças (muitos professores na escola, tarefas e agenda a serem cuidadas por si mesmo, colegas, esporte, identificação sexual, futuro).

6- “Deverei partilhar a minha vida com alguém ou deverei viver sozinho?” é a questão característica dos jovens adultos, que estão na sexta idade (20 – 35 anos). Serão eles capazes de amar e se entregarem, formando vínculos sociais (família e trabalho)? Aceitarão encontrar-se e se perderem no outro de forma amiga, colaborativa e cooperativa?

7- “Produzirei algo com valor, útil para mim e também para os outros?”  é a questão característica dos adultos “plenos”, isto é, que estão na sétima idade (de 35 a 65 anos). De fato, é nesse ciclo de vida que todos esperamos a melhor e maior contribuição dos adultos. De seu cuidado e produção dependem a sociedade como um todo e, em particular, crianças, jovens, doentes, incapacitados e velhos.

8- “Valeu a pena viver?” é a questão característica da oitava idade, ou seja, das pessoas com mais de 65 anos. “Está satisfeito com a vida”?, “o quanto ela foi ou tem sido valiosa para você e todos os seus?”, “viver foi um tempo perdido, impossível de recuperar”, de fato, são perguntas que os idosos fazemos frequentemente. Refletir sobre elas e “respondê-las” com humanidade faz parte de nossa sabedoria.

Lino de Macedo

Lino de Macedo

Professor Doutor Lino de Macedo Assessor de psicologia e educação do Instituto Pensi e Hospital Infantil Sabará

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade