PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Um papel do adulto quando a criança está doente
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Um papel do adulto quando a criança está doente

Um papel do adulto quando a criança está doente

05/12/2014
  1148   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

criança doente

Quando crianças adoecem, sobretudo as pequenas, uma de suas dificuldades é que não sabem que podem ajudar a si mesmas em sua cura. Estar doente é um momento de virada, de mudança na vida. Pode ser uma mudança curta, passageira. Pode ser longa, definitiva, como ocorrem com doenças crônicas, retirada de órgãos, ou acidentes que deixam marcas e assinalam um antes e um depois.

Elas não podem se ajudar em sua cura porque não sabem conversar consigo mesmas sobre o que está acontecendo, porque não podem compreender os modos de tratamento e as causas e as consequências de tal adversidade não querida, mas que se impõe sobre elas e alteram suas vidas e as fazem sofrer e se sentirem desconcertadas.

O papel do adulto – profissionais, pais ou responsáveis, principalmente – é também muito importante nesta hora. Além do fazem objetivamente em favor do enfrentamento do problema, é bom quando sabem e podem conversar com elas sobre o que está lhes acontecendo. Conversar nesse caso pode assumir muitas significações: observar, ficar um tempo juntos em silêncio, explicar os tratamentos e cuidados a serem tomados, brincar e simular situações, antecipar perdas e ganhos.

Trata-se em qualquer caso de assumir que a criança não tem ainda bem desenvolvida aquela parte do cérebro – a consciente e verbal – capaz de dialogar com aquela outra parte – a não verbal – e, assim de dar conta, por si mesma, de pensar e sentir sobre o que está acontecendo com ela.

As crianças sofrem muitas vezes porque não sabem se dizer, ou pensar, sobre doenças, dores e ocorrências disfuncionais em seu corpo. Por isso, podem criar imagens negativas, desenvolverem medos e preocupações que aumentam a proporção do problema e em nada ajudam em seu enfretamento.

O papel do adulto é fundamental nestes casos. Como disse, explicar, comentar, compartilhar, ouvir, deixar que expressem seu medo, ignorância ou raiva, brincar juntos, contar histórias, cantar são, por isso, formas de cuidar, formas de dar importância à criança e ao que está ocorrendo. Elas, por certo, não substituem o tratamento efetivo, mas complementam e colaboram para sua boa realização. Mais que isso, são formas de amar a criança. De receber o que ela não pode, nessa situação, fazer por si mesma. E de lhe dar aquilo que, em certos momentos da vida, só pode vir de um outro, sobretudo se ele ama e compreende e, por isso, está presente.

 

Feliz 2015 a todos os leitores e não leitores de nosso blog!

Lino-de-Macedo_Assinatura

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade