PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
A brincadeira perfeita!
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
A brincadeira perfeita!

A brincadeira perfeita!

22/10/2015
  376   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

child-playing-in-water-885298_1920

Aha! Se você achou que eu iria escrever sobre aquela brincadeira perfeita, que funciona faça chuva ou sol, com 1, 3 ou 5 filhos, meninos e meninas de 0 a 10 anos, se enganou!

Neste post de hoje, que é quase um desabafo, eu quero deixar claro que não existe a brincadeira perfeita. Como não existe o brinquedo perfeito. E, acima de tudo, não existem pais brincantes perfeitos.

Durante todo este tempo que tenho escrito no blog, tenho dado dicas para vocês aproveitarem melhor o tempo disponível com os filhos. Também tenho repetido várias vezes como o brincar é importantíssimo para seus filhos e para você, que já é adulto.

Mas mesmo que você tenha seguido tudo, dica por dica, sugestão por sugestão, certamente em algum momento uma brincadeira vai dar errado. Seja porque a criança não dormiu direito e está irritada, ou alguém está de mal humor, com calor, com frio, cansado, com preguiça, ou porque simplesmente a brincadeira não “pegou”.

Diante disso, você pode:

(a) se irritar e gritar com todo mundo

(b) se chatear e parar de vez com “esse negócio de brincar”

(c) se entristecer e achar que nada com você funciona

Ou aproveitar o momento para respirar fundo e:

1 – Saber que as brincadeiras funcionam diferente dependendo que quem está brincando, do lugar e do momento.

2 – Aceitar que você é gente, seu filho também é gente e ninguém é uma “máquina de brincar” o tempo todo.

3 – Entender que a brincadeira que não funcionou hoje, pode funcionar amanhã ou daqui há um ano.

4 – Ter jogo de cintura para partir para outra brincadeira rapidinho.

5 – Ter a sabedoria de deixar que este momento passe, simplesmente como um aprendizado.

6 – Rir do que aconteceu, transformar o momento em uma história engraçada para contar aos amigos e a seus filhos quando eles crescerem.

7 – Tocar em frente e planejar a brincadeira de amanhã.

É isso. Sem frustrações, sem estresse e sem culpa, ok?

Patrícia Marinho

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

mensagem enviada

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade