PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
As vítimas do bullying e as armas na escola
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
As vítimas do bullying e as armas na escola

As vítimas do bullying e as armas na escola

08/01/2018
  802   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Não faz muito tempo que vivemos uma tragédia em Goiânia, quando um adolescente que sofria bullying levou uma arma para escola e atirou contra os colegas, matando dois e ferindo outros. Coincidentemente na edição de dezembro de 2017 a revista Pediatrics traz um artigo interessante sobre o assunto.

Um novo estudo intitulado “Armas entre vítimas de bullying”, mostra que essas vítimas tinham duas vezes mais chances de transportar uma arma de fogo ou uma faca para a escola. Fatores de risco adicionais, como brigas na escola com ameaças ou ferimentos, tornavam cada vez mais provável que esses adolescentes trouxessem armas para dentro de sua escola.

Os pesquisadores examinaram dados do Inquérito ao Comportamento de Risco Juvenil 2015. Eles encontraram que 20% dos alunos relataram serem vítimas de bullying durante o período de 12 meses anteriores ao acontecimento e 4% dos alunos relataram ter levado uma arma para a escola no último mês.

Quando os impactos de fatores de risco adicionais foram analisados ​​individualmente, as probabilidades de armas levadas por vítimas de bullying que relataram medo de sua segurança, lutar na escola ou ser ameaçadas / feridas na escola eram, respectivamente, 3 vezes, 5 vezes, e 6 vezes maior em comparação com as não vítimas. Os adolescentes que experimentaram as três experiências adversas adicionais eram muito mais propensos a levar armas para a escola em comparação com as não vítimas (46% contra 2,5%).

Por outro lado, as vítimas de bullying que não experimentaram nenhum desses fatores de risco adicionais não apresentavam maior risco de levar uma arma para a escola. Os pesquisadores concluíram que os pais, o pessoal da escola e os pediatras devem estar atentos às bandeiras vermelhas, como contusões inexplicadas ou lesões constantes, evasão escolar e/ou ausência escolar frequentes, mas é necessária mais pesquisa para entender como o bullying afeta as meninas e os meninos de maneira diferente e os motivos pelos quais os adolescentes decidem trazer armas para a escola.

Como se pode ver, o bullying não é um fenômeno brasileiro e ocorre em outros lugares do mundo. É certo que o acesso às armas é muito maior nos EUA que no Brasil, mas mesmo assim, como vimos em Goiânia, pode ocorrer. Como orientam os pesquisadores, os pais e profissionais que lidam com as crianças devem estar atentos aos sinais e procurar fazer prevenção sobre o assunto.

 

Autor: Dr. José Luiz Setúbal

Fonte: Pediatrics December 2017

Complexidades na associação entre intimidação e transporte de armas

Melissa K. Holt , Gianluca Gini

 

As informações contidas neste site não devem ser usadas como um substituto para o cuidado médico e orientação de seu pediatra. Pode haver variações no tratamento que o pediatra pode recomendar com base em fatos e circunstâncias individuais.

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade