PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
A caminhada de Cássia
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
A caminhada de Cássia

A caminhada de Cássia

08/06/2016
  560   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Nenhum super-herói nasce pronto. A gente passa por todo um processo até chegar a ser aquele que vai enfrentar os monstros que aparecem no dia a dia. Do uniforme até a escolha do melhor super poder, todos os dias, vamos aprendendo quais são as características necessárias para se auto denominar herói, quem dirá “super”. Pois é, e foi em um desses dias assim, comuns da função, que aprendi bastante sobre a “super força”.

 

Foi o dia em que fomos visitar nossa amiga Cássia, que sempre nos recebia de um jeito diferente. Tinha dias que estava mau humorada (e quem nunca, não é mesmo?), e outros em que podíamos contar com o seu sorriso e o seu gingado. Afinal rebolar e dançar era a nossa maior diversão juntos. Toda vez que a mamãe cantava uma música, a Cássia dançava sentadinha na cama. Nunca vou me esquecer dos momentos felizes dela. Meu coração se enchia de alegria ao vê-la feliz nas situações mais adversas. E não foram poucas.

 

A experiência mais marcante foi o dia em que Cássia estava com muitas dores nas pernas, no entanto precisava, por prescrição médica, caminhar um pouco. A enfermeira muito delicadamente segurava as duas mãozinhas de Cássia e a conduzia pelos corredores enquanto ela chorava de dor. Neste dia, eu estava acompanhado da Chapeuzinho Vermelho e sabíamos que tínhamos que nos manter firmes para tornar o passeio da Cássia menos torturante.

 

Lembro que no começo do trajeto comecei conversando, explicando que era necessário andar um pouquinho e que logo estaríamos de volta no quarto. Ela me olhava, mas não continha o choro. Chapeuzinho Vermelho também conversava com ela e apontava os desenhos de animais nas paredes do hospital, estávamos juntos naquele momento difícil. Queria ter o poder de tirar toda aquela dor dela, mas os super-heróis não tem todos os poderes do mundo e eu só tenho a minha super força (podem conferir os músculos).

 

Aos poucos a minha super força começou a se abalar e eu me vi numa situação nova: como lidar com aquela experiência tão explícita de dor? Ela chorava bastante pedia para voltar e eu precisava apoiá-la de maneira mais eficiente. Me perguntava: Será que estou ajudando em alguma coisa? Lembrei que Cássia adorava os Backardigans e eu sabia a música, pois já havíamos cantado para ela outras vezes. Puxei a musiquinha, a Chapéuzinho me acompanhou e a reação de Cássia respondeu minha pergunta.

 

Quando começamos ela não percebeu rápido, mas depois de uns dois passos reconheceu a música e subitamente parou de chorar. Deu uma piscadinha para terminar as últimas lagriminhas que já estavam prontas pra descer e deixou a dor pra lá por uns cinco segundos. Não olhou pra mim, ficou com o olhar perdido, sem chorar nem gritar, ameaçou um quase sorriso e balançou um pouco o bumbum: um ensaio do passo da dancinha que fazia quando a mamãe cantava. Acho que se lembrou dos momentos mais felizes ou de distração, quando a música do desenho estava presente.

Talvez ninguém ainda tivesse tentado aquela música, pois a reação foi súbita e muito rápida, coisa de três passos da caminhada. Eu quase não acreditei. Funcionou! Ela sabe que eu tô aqui, ela sabe o que tá acontecendo, talvez tenha entendido a conversa no início. Depois dessa pequena pausa, voltou a chorar. Ela precisava. Talvez para aguentar a caminhada que era tão necessária fosse preciso fazê-la chorando, expressando a dor de alguma maneira.

 

A música do não adiantou mais. Mas preferi respeitar seu choro, já tinha a certeza que ela estava sendo afetada pela nossa presença. Continuamos a caminhada em silêncio, apenas enfeitando o caminho com muitas bolinhas de sabão… várias…inúmeras.

 

Queria fazer uma floresta de bolhas, não para calar o seu choro ou apagar o sofrimento, mas se ela tivesse que lembrar desse dia que o foco fosse a beleza da chuva de sabão.

Foi forte. Cada passo que a Cássia dava doía no meu coração, o caminho nunca foi tão longo nos corredores, me segurei firme na base, estava ali aprendendo a ser um melhor super-herói, em uma lição repentina num dia comum.

 

Respeitar a Cássia no seu momento de dor foi importante para todos. Ela terminou até o fim a missão, caminhamos e ao entrarmos no quarto ela queria descansar. Quem estava com ela nesse dia era o pai (e não a mãe como de costume).  Ela deitou e não interagiu. Queria descansar. Deixamos presentinhos e promessas de retorno.  Queria ver a Cássia melhorar. Mas não deu, alguns meses depois, infelizmente, ela nos deixou.

A última vez que a vi ela estava dormindo como um anjinho e só deixamos presentes com a mamãe.

Nunca vou me esquecer da caminhada da Cássia naquele dia. Quando tiver que caminhar com tanta dor vou usar a força que ela me deu e prestar atenção nas chuvas de bolhas de sabão que podem estar rolando ao redor.

 

Sr. Incrível (Bruno Sperança)

Bruno Sperança

Bruno Sperança

Ator, palhaço e apresentador de eventos. Formado como ator pela Escola de Arte Dramática da USP e em Humor pela SP Escola de Teatro. No Pronto Sorrir atua como o super poderoso, Sr. Incrível. Um herói diferente do convencional, não voa, mas possui o poder da super força que é abastecida através da coragem das crianças e pessoas que encontra por suas andanças.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade