PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Dia Mundial de Combate ao Bullying: aprenda tudo sobre o assunto!
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Dia Mundial de Combate ao Bullying: aprenda tudo sobre o assunto!

Dia Mundial de Combate ao Bullying: aprenda tudo sobre o assunto!

20/10/2018
  1385   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Bullying é o termo utilizado para descrever atos de violência física ou psicológica, intencionais e repetidos, praticados por um indivíduo ou grupo, causando dor e angústia, sendo executadas dentro de uma relação desigual de poder.

Hoje é o Dia Mundial de Combate ao Bullying, 20 de outubro. Muitas vezes escrevi sobre crianças que sofrem bullying, mas achei interessante esta entrevista com uma psicóloga americana sobre o que fazer quando nossos filhos são os valentões?

Ninguém quer acreditar que seu filho pode ser um tirano, mas às vezes, quando isso acontece, os pais suspeitam que possa haver algum problema a mais e que eles não estão vendo.

Pais e educadores podem trabalhar juntos no combate ao bullying.

Quais são alguns fatores que podem fazer uma criança intimidar / provocar ou machucar outras crianças?

Primeiramente, é importante fazer algumas perguntas a você mesmo:

1- A criança está sendo intimidada / foram vítimas de bullying anteriormente?
2- Eles se sentem impotentes e esta é uma maneira de se sentir de volta ao controle?
3- Eles têm dificuldade em se identificar com os outros?
4- Eles têm problemas com controle impulsivo ou problemas de raiva?
5- Eles veem comportamentos de intimidação de outras pessoas em seu ambiente / TV?

Fazer uma reflexão sobre estes pontos pode ajudar a entender o que está acontecendo e a buscar uma solução para o problema.

Se você suspeitar ou for notificado que seu filho está sendo um valentão, o que você deve fazer?

Não dê desculpas, ouça o que os outros estão dizendo sobre seu filho. Ninguém quer pensar que seu filho está fazendo coisas que poderiam prejudicar os outros.

No entanto, dar desculpas dá uma mensagem muito perigosa para o seu filho, que eles podem fazer o que quiserem, sem consequências.

Consiga mais informação! Converse com seu filho para ter uma visão da situação. Converse com professores, outros adultos. Também é bom conversar com os pais da criança que pode estar acusando seu filho de bullying.

Isso pode ser difícil de ouvir, mas se você puder fazer isso com uma mentalidade de coleta de informações, você terá mais percepção real para pesar enquanto pensa sobre a situação.

O que você deve fazer se achar que seu filho foi injustamente acusado?

Seja um bom modelo e lide com o problema de uma forma que promova a comunicação e a boa resolução de problemas. Educar os outros e encontrar maneiras de chegar a um “terreno comum” pode ser importante.

Se você tem evidências de que seu filho pratica bullying, quais devem ser seus próximos passos?

Existem algumas coisas importantes:

  • Torne-se mais “mãos à obra” com o seu filho. Converse com eles. Escute-os. Envolva-se mais em sua comunicação (por exemplo, mídias sociais, textos).
  • Aprenda mais sobre os amigos de seu filho e sobre sua vida social. Eles foram amigos de crianças / adolescentes que são uma má influência sobre eles? Converse com seu filho, estabeleça limites e encontre maneiras de tirar seu filho desses relacionamentos potencialmente perigosos e se engajar no combate ao bullying.
  • Trabalhe com a escola para encontrar maneiras de ajudar a monitorar o comportamento de seu filho. Recompense interações mais apropriadas e deixe seu filho saber que os adultos se importam e estão assistindo.
  • Ensine interações positivas. Ensine a compaixão, como se colocar no lugar do outro.
  • Dê uma boa olhada em sua família e pessoas em sua vida para ver se seu filho está aprendendo algo sobre isso a partir de seu ambiente. Se assim for, então tome decisões sobre como mudar isso para mostrar ao seu filho uma maneira melhor de interagir.
  • Estabeleça regras e expectativas claras para o seu filho sobre como a sua família trata os outros e o que é inaceitável.

O que os pais podem fazer se o filho continuar a intimidar ou a agir?

Se você achar que seu filho não está respondendo a essas tentativas, considere procurar aconselhamento profissional. Pesquisas mostram que crianças que são agressivas e que constantemente quebram regras, mostrando pouco remorso têm uma chance maior de se envolverem em condenações criminais à medida que amadurecem.

Saiba mais no blog do Hospital Infantil Sabará:

Autor: Dr. José Luiz Setúbal

Fonte: adaptado de Entrevista com Jayne Bellando, PhD, psicóloga infantil, Arkansas Children’s & UAMS

As informações contidas neste site não devem ser usadas como um substituto para o cuidado médico e orientação de seu pediatra. Pode haver variações no tratamento que o pediatra pode recomendar com base em fatos e circunstâncias

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade