PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
“Continue a nadar, continue a nadar… “ – A importância de empoderar as crianças
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
“Continue a nadar, continue a nadar… “ – A importância de empoderar as crianças

“Continue a nadar, continue a nadar… “ – A importância de empoderar as crianças

19/07/2016
  1324   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Recentemente assisti o filme “Procurando Dory”. Como sempre, os filmes da Disney/ Pixar são divertidos e muito bem feitos, mas sobretudo, tratam de temas preciosos e profundos de forma leve, contendo muitas mensagens bonitas e importantes que nos levam a muitas reflexões.

A personagem principal é uma peixinha simpática que sofre de perda de memória recente, ou seja, não consegue assimilar fatos, acontecimentos e ensinamentos, pois não tem a capacidade de retê-los. É portanto um ser “com deficiência”, que tem que lidar com suas dificuldades. Seus pais têm uma atuação digna de destaque, com os quais muito se pode tirar de exemplo e aprender. Eles têm consciência da situação de sua filha, e a amam como ela é, portadora de uma deficiência mental. Não ignoram os dados de realidade ou fingem que ela é um peixe “normal”. Sabem que para Dory viver adaptada ao meio é desafiante e fazem de tudo a seu alcance para que ela tenha uma vida o mais segura e feliz. Mas o como o fazem é o que merece destaque.

Os pais da personagem principal tomam alguns passos importantes. O primeiro, após a aceitação do problema de sua filha, foi explicar-lhe o que tem de conseguir para que ela entenda e aprenda que algo em sua intelectualidade é diferente e a atrapalha. Depois, e aí é quando começa a grande sacada deles, foi perceber o que ela tem de positivo e como isso pode ajudá-la. Conseguem que ela memorize uma frase de que tem perda de memória recente e com isso explique sua condição aos outros, repetindo essa fala. Isso faz com que a peixinha consiga ganhar a empatia dos outros.

Conquistado isso, passam a criar situações ensaiadas, fictícias, para que Dory consiga lidar com os percalços e ao mesmo tempo manter-se o mais possível fora de perigo. Como manejo, e isso é muito importante, dão as ferramentas necessárias, ou melhor dizendo, promovem, dentro das possibilidades de Dory, um empoderamento dela conseguindo que ela desenvolva formas possíveis de lidar com cada situação. Sua mãe, por exemplo, fala para ela que, em caso de dúvida, o que deve fazer é continuar a nadar, ou seja, nadar, e isso ela tem total domínio (é uma peixinha), garante sua sobrevivência, e a tira do momento de pânico, do não saber o que fazer. Sua capacidade de análise imediata de uma situação é extraordinária. Dory acabou por desenvolver essa habilidade acima da média, de observar o que está ao seu redor no momento e quais as possíveis soluções que se apresentam para seus impasses pois tem que conviver com isso continuamente. Assim, seus pais criaram um ambiente seguro para ela, mas mantiveram a sua liberdade, preservando-a como um ser independente. Ao mesmo tempo mostravam que ela é capaz e davam-lhe as ferramentas necessárias, dentro de suas capacidades, sem baixar sua autoestima.

Claro, isso não funciona cem por cento pois, como o título mesmo indica, Dory se perde dos pais e fica sozinha no mundo. Ao longo do filme – que termina bem como era de se esperar – podemos perceber o quanto a maneira como ela foi criada na infância provou-se importante no seu desenvolvimento e crescimento, pois ela, com suas limitações, sobrevive, faz amizades, cativa e tem muitas aventuras. Isso só é possível porque Dory possui as ferramentas necessárias, desenvolvidas e estimuladas em sua criação. Seus pais a empoderaram.

Lidar com dificuldades, sejam elas deficiências mentais, físicas ou intelectuais, não é tarefa fácil. Exige empenho e, sobretudo, preparo e uma visão especial. É desafiante para a pessoa que vive essa realidade, bem como para seus familiares e aqueles com quem convive.  Os pais têm papel fundamental. Necessitam educa-los para a vida em sociedade e para sua vida cotidiana. O primeiro passo é perceber e aceitar o diferente, não tentar fingir que a deficiência não existe, mesmo que inconscientemente. É preciso entender que há sim uma dificuldade e que há sim algo que não é o padrão. Aceitado isso, vem o mais importante, empoderar, ou seja, estimular o que o filho tem de positivo e dar o necessário, ensinando, treinando-o para que consiga lidar nas diversas situações. Desenvolver a autoconfiança mas não de maneira irreal, nunca mostrando que o que é possível algo que não é.

No filme “Ray” sobre a vida de Ray Charles há uma cena muito bonita, quando ele, criança, já sem enxergar normalmente entra em casa e pede ajuda a sua mãe. Esta fica quieta no canto (chorando), mas não vai a seu auxílio, deixando que ele se vire. Depois explica, que tomou essa atitude para prepará-lo para a vida, pois nem sempre estaria a seu alcance, ou presente para ajudá-lo e ele precisava aprender a fazer as coisas por si só. Que exemplo! Ao invés de ir pelo caminho mais fácil, fazer por ele, ou com ele, a mãe de Ray Charles levou-o a buscar, e com isso a se desenvolver dentro das limitações. Sem dúvida é mais difícil. Sem dúvida, na hora é mais dolorido. É mais trabalhoso mas, sem dúvida, é o certo. Isso é empoderar, estimular a autoconfiança. É fazer com que a criança se sinta capaz, que busque os desafios para que possa se desenvolver, sabendo que tem limitações, mas que pode ter qualidade de vida.

Extrapolando, por que não fazer isso com todas as crianças, mesmo as que não são portadoras de deficiência?

Letícia Rangel

Letícia Rangel

Letícia Rangel é psicóloga clínica, com especialização em Psicanálise pelo Instituto Sedes Sapientiae e Conexão Lacaniana. Ex-membro do grupo de estudos do Instituto Praxxi- Centro de Estudos dos Sintomas da Contemporaneidade. E mãe.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade