PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Desenvolvimento de Identidade de Gênero em Crianças
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Desenvolvimento de Identidade de Gênero em Crianças

Desenvolvimento de Identidade de Gênero em Crianças

20/02/2018
  6796   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Vivemos num Mundo cada vez mais complexo. Não passava pela cabeça de meus professores de pediatria no final dos anos setenta e início dos oitenta se preocupar com crianças com dificuldade de orientação sexual. Hoje, isso é uma das grandes preocupações da pediatria atual, a ponto de numa reunião anual da Academia Americana de Pediatria dedicar uma série de palestras em sua Conferencies de Chicago em outubro de 2017. Nesta postagem fizemos uma adaptação do texto da Academia Americana de Pediatria para orientação de pais sobre como se desenvolve a identidade de gênero.

Ser um menino ou uma menina, para a maioria das crianças, é algo que se acontece naturalmente. No nascimento, os bebês são designados masculino ou feminino com base em características físicas. Isso se refere ao “sexo” da criança. Quando as crianças são capazes de se expressar, eles se declararão um menino ou uma menina (ou às vezes algo intermediário); esta é a sua “identidade de gênero”. A maioria das identidades de gênero das crianças alinha com seu sexo biológico. No entanto, para algumas crianças, a combinação entre sexo biológico e identidade de gênero não é tão clara. Este texto discute como os pais podem promover o desenvolvimento saudável de gênero em crianças.

Em torno dos dois anos de idade, as crianças tornam-se conscientes das diferenças físicas entre meninos e meninas. Antes de seu terceiro aniversário, a maioria das crianças é capaz de rotular-se como garoto ou garota. Aos quatro anos, a maioria das crianças tem um senso estável de sua identidade de gênero. Durante esse mesmo período de vida, as crianças aprendem o comportamento dos papéis de gênero, isto é, fazendo “coisas que os meninos fazem” ou “coisas que as meninas fazem”.

Antes dos três anos de idade, as crianças podem diferenciar brinquedos tipicamente usados ​​por meninos ou meninas e começar a brincar com crianças de seu próprio gênero em atividades identificadas com esse gênero. Por exemplo, uma menina pode gravitar em direção a bonecas e brincar de casinha. Em contraste, um menino pode jogar jogos mais ativos e desfrutar de soldados de brinquedo, blocos e caminhões de brinquedo.

Todas as crianças precisam da oportunidade de explorar diferentes papéis de gênero e diferentes estilos de jogo. Certifique-se de que o ambiente da criança reflete a diversidade nos papéis de gênero e encoraja oportunidades para todos. Aqui estão algumas ideias:

Livros infantis ou quebra-cabeças que mostram homens e mulheres em papéis de gênero não estereotipados e diversos (p. Ex. Pais fazendo atividades domésticas, mães que trabalham, enfermeiros, policiais femininos, etc.)

Uma ampla gama de brinquedos para todas as crianças, incluindo bonecos de bebê, veículos de brinquedo, figuras de ação, blocos, etc.

Aos seis anos de idade, a maioria das crianças gasta a maior parte do tempo de recreação com membros de seu próprio sexo e pode gravitar em atividades esportivas e outras atividades associadas ao gênero. É importante permitir que as crianças façam escolhas sobre o que esportes e outras atividades envolvem.

Além de suas escolhas de brinquedos, jogos e esportes, as crianças geralmente expressam sua identidade de gênero das seguintes maneiras:

  • Vestuário ou penteado;
  • Nome ou apelido preferido;
  • Comportamento social que reflete graus variados de agressão, dominância, dependência e gentileza;
  • Maneira e estilo de comportamento e gestos físicos e outras ações não-verbais identificadas como masculinas ou femininas;
  • Relações sociais, incluindo o gênero de amigos, e as pessoas que ele ou ela decide imitar;

Embora o comportamento específico de um filho pareça ser influenciado pela identificação com os machos e fêmeas em suas vidas, a sensação de ser uma menina ou um menino (ou seja, a identidade de gênero) não pode ser alterada.

Ao longo do tempo, a sociedade reconheceu que os estereótipos de comportamentos e características masculinas e femininas são imprecisos. No passado, as meninas só podiam fazer coisas femininas, como brincar com bonecas ou cozinhar. Esperava-se que fossem mais passivos. Os meninos deveriam ser mais agressivos e mostrar apenas comportamentos masculinos.

Nossas expectativas de “o que as meninas fazem” e “o que os meninos fazem” mudaram. As meninas frequentemente se destacam em esportes e disciplinas escolares tradicionalmente consideradas como masculinas. Os meninos geralmente se destacam em assuntos artísticos, uma vez que tradicionalmente se pensava como feminino. Todas as crianças mostram alguns comportamentos que uma vez foram considerados típicos do gênero oposto – ninguém mostra exclusivamente traços masculinos ou femininos – e isso é normal.

Quando os interesses e as habilidades de uma criança são diferentes do que a sociedade espera, ele ou ela é frequentemente submetido a discriminação e bullying. É natural que os pais desejem que seu filho seja aceito socialmente. No entanto, as crianças precisam se sentir confortáveis ​​e boas em relação a si mesmas. Se o seu filho não se destaca em esportes ou mesmo tem interesse neles, por exemplo, ainda haverá muitas outras oportunidades e áreas em que ele pode se destacar. Cada criança tem seus próprios pontos fortes, e às vezes, eles podem não estar de acordo com as expectativas da sociedade ou de suas próprias expectativas, mas continuarão sendo uma fonte de seu sucesso atual e futuro.

Assim, ao invés de forçar o seu filho no molde do comportamento de gênero atual ou tradicional, ajude-o a cumprir seu próprio potencial exclusivo. Não se preocupe excessivamente se os interesses e forças de seu filho coincidem com os papéis de gênero socialmente definidos do momento

 

Autor: Dr. José Luiz Setúbal

Fonte: Fonte: Section on Lesbian, Gay, Bisexual, Transgender, Health and Wellness (SOLGBTHW) (Copyright © 2015 American Academy of Pediatrics)

http://www.sbp.com.br/imprensa/detalhe/nid/cartilha-de-pediatras-orienta-sobre-transtornos-de-genero/

 

As informações contidas neste site não devem ser usadas como um substituto para o cuidado médico e orientação de seu pediatra. Pode haver variações no tratamento que o pediatra pode recomendar com base em fatos e circunstâncias individuais.

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade