PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Dificuldades no tratamento do TDAH
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Dificuldades no tratamento do TDAH

Dificuldades no tratamento do TDAH

06/07/2017
  1447   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

A incidência de TDAH parece ser universal. Embora mais frequente em meninos, não é frequentemente associada a uma raça, povo ou cor ou grupo social. Mas um estudo publicado na revista Pediatrics de junho de 2017 encontrou diferenças raciais significativas na frequência com que os jovens diagnosticados com Transtorno de Déficit de Atenção com Hiperatividade (TDAH) continuam recebendo tratamento para a condição.

Para o estudo, “Diferenças raciais e étnicas na qualidade do tratamento do TDAH entre os jovens matriculados em Medicaid”, os pesquisadores examinaram os dados de reivindicações da medicina pública americana (Medicaid) em nove Estados dos EUA e encontraram taxas muito maiores de interrupção da medicação e desligamento do tratamento entre os jovens de minorias em comparação com crianças brancas entre todos os que receberam prescrições medicamentosa para TDAH.

Em comparação com os brancos, as crianças negras e hispânicas eram 22,4% e 16,7% mais propensas a interromper a medicação. Entre aqueles que descontinuaram a medicação, o estudo também examinou com que frequência os jovens receberam serviços de psicoterapia ou se desvincularam do tratamento inteiramente. As crianças negras e hispânicas tiveram 13,1% e 9,4% mais frequência ​​que os brancos para se desvincular do tratamento, respectivamente.

Os autores do estudo, que receberam financiamento do Instituto Nacional de Saúde Mental, disseram que suas descobertas são especialmente preocupantes porque mais de sete décimos dos jovens que interrompem a medicação não recebem nenhum tipo de serviços de psicoterapia para TDAH. Portanto, as taxas mais elevadas de interrupção da medicação entre pacientes minoritários também se traduzem em taxas mais altas de tratamento de parada.

No Brasil, o tratamento de TDAH é muito difícil em camadas mais pobres da população. Nas mais favorecidas, o custo do tratamento faz com que muitas vezes os pais optem por dar somente a medicação deixando de lado as terapias comportamentais ou outras terapias psicológicas.

Saiba mais:

 

Autor: Dr. José Luiz Setúbal

Fonte: Pediatrics – June 2017, VOLUME 139 / ISSUE 6

Racial and Ethnic Differences in ADHD Treatment Quality Among Medicaid-Enrolled Youth

Janet R. Cummings, Xu Ji, Lindsay Allen, Cathy Lally, Benjamin G. Druss

As informações contidas neste site não devem ser usadas como um substituto para o cuidado médico e orientação de seu pediatra. Pode haver variações no tratamento que o pediatra pode recomendar com base em fatos e circunstâncias individuais.

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade