PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Direitos das crianças nos sistemas de saúde
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Direitos das crianças nos sistemas de saúde

Direitos das crianças nos sistemas de saúde

17/11/2014
  510   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

direitos-das-criancas

As crianças, de todo o mundo, têm uma “carta de direitos” nos sistemas de saúde. Refletir sobre sobre essa carta e, principalmente, comprometer-se em torná-la uma prática na realidade do cuidado das crianças, deveria ser algo, penso, muito importante para todos nós, pais, políticos, educadores ou profissionais da saúde.

As crianças de hoje, futuros adultos de nosso amanhã, agradecerão com mais bem-estar, alegria e sentimento de serem consideradas como pessoas. A carta foi escrita pelo Canadian Institute of Child Health, em 2002. Eu a encontrei na página 334 do livro “The Handbook of Child Life: A Guide for Pediatric Psychosocial Care”, organizado por Richard H. Thompson e publicado em 2009. Seu conteúdo foi baseado ou tirado de artigos da UNESCO sobre direitos das crianças.

 

DIREITOS DA CRIANÇA NO SISTEMA DE SAÚDE

 

1. “Eu tenho o direito de viver e ter tratadas as dores do meu sofrimento, mesmo sendo incapaz de comunicar minha necessidade. Eu tenho esse direito independentemente de minha idade, gênero ou condição econômica”.

2. “Eu tenho o direito de primeiro ser vista como uma criança, e só depois como um paciente”.

3. “Eu tenho o direito de ser tratada como um indivíduo com minhas próprias habilidades, cultura e linguagem”.

4. “Eu tenho o direito de ter medo e de poder chorar quando sentir dor”.

5. “Eu tenho o direito de ser protegida em um ambiente que não me é familiar”.

6. “Eu tenho o direito de fazer perguntas e receber respostas que eu posso compreender” .

7. “Eu tenho o direito de ser cuidada por pessoas que percebem e encontram minhas necessidades mesmo sendo incapaz de explicar quais são elas”.

8. “Eu tenho o direito de falar por mim mesma quando for capaz e ter alguém confiável que fale em meu nome quando não puder explicar quais são minhas necessidades”.

9. “Eu tenho o direito de ter perto de mim as pessoas que me são queridas, quando eu tiver necessidade delas”.

10. “Eu tenho o direito de brincar e aprender mesmo se estiver recebendo tratamento”.

11. “Eu tenho o direito de que meus direitos sejam satisfeitos”

 

Dr. Lino de Maceco

 

 

 

 

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade