PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Fim da licença início da maternidade
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Fim da licença início da maternidade

Fim da licença início da maternidade

15/02/2016
  466   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Hora de tirar o pijama e o chinelo e buscar no armário e na alma, as outras partes de si mesma que ficaram de lado nestes últimos meses.  Agora é necessário estar de unha feita, cabelo arrumado, com foco na produção e… ter que deixar o bebê!

O retorno ao trabalho é acompanhado, pela maioria das mulheres, de sentimentos ambivalentes, desde culpa, sensação de perda, até de alivio em retomar a vida profissional.

Uma das principais angústias da mãe, nesta fase, é a de ter que transferir os cuidados do filho, seja para a babá, avó ou berçário.  A sensação de abandonar o bebê é quase que unânime entre as mães, principalmente as de primeira viagem.

Na realidade, esta será a primeira experiência concreta de separação, já que mesmo após o parto, depois do corte do cordão umbilical, o bebê foi direto para o colo da mãe e lá permaneceu por todos esses meses. Agora, ter a obrigação de sair de casa, todos os dias da semana, implica tirar o filho do colo e, ao mesmo tempo, se dar conta de que cada um é um.

Essa tomada de consciência, de que o filho é uma (imensa) parte de sua vida, mas que, daqui para frente tudo vai ser diferente (como dizia Roberto Carlos) merece um tempo de adaptação e de muito acolhimento por todos à volta. Por exemplo, se caso a opção da família for o ingresso ao berçário, é importante que esse período envolva não somente o bebê mas também a mãe, já que ela vai precisar deste tempo para sentir-se segura e confiante de que lá, o filho será bem cuidado e ficará bem sem ela.

No entanto a dúvida persiste, mesmo quando os cuidados com o filho serão delegados à avó ou babá: Será que vão cuidar do meu bebê como eu cuido?: A resposta é “Não”. Ninguém faz exatamente do mesmo jeito, mas isso não significa que ele será mal ou mais bem tratado. Apenas será diferente, e o bebê conhecerá várias maneiras de ser cuidado e terá condições de se habituar com cada uma delas. Tendo carinho e atenção tudo acontece no seu tempo e de uma forma tranquila.

Mãe e bebê vão passar algumas horas do dia separados e a angústia da despedida será compensada pela alegria do reencontro, onde ambos, com muitas saudades, vão apreciar estes momentos bem juntinhos!

Daqui em diante, mãe e filho não estarão mais ligados por um nó mas em um lindo laço, que se solta e se entrelaça em movimentos que permitem um e o outro se juntarem e se separarem.  Como já dizia Mario Quintana: enrosca, segura um pouquinho, mas pode se desfazer a qualquer hora, deixando livre as duas bandas do laço.  E no abraço, as partes se unem no reencontro, cada um com a sua parte.

É o fim da licença, mas com licença, a maternidade só está começando, mãe e filho agora separados, mas unidos em um lindo laço de amor!

Déborah Moss

Déborah Moss

Déborah Moss Psicologa, formada pela PUC- SP em 1998 Mestre em Psicologia do Desenvolvimento- USP Especialista em Neuropsicologia CEPSIC-HC Mãe de três filhos- ARIEL 12 anos, PATRICK 8 anos e ALICIA 4 anos.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade